Mulheres católicas da Alemanha, Áustria e Suíça reivindicam ao Vaticano uma “renovação da ética sexual” da doutrina católica

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Abril 2021

 

Cinco organizações de mulheres católicas em zonas de língua alemã publicaram uma carta aberta pedindo ao Vaticano para reverter sua posição de que os padres não podem abençoar as uniões entre pessoas do mesmo sexo.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 03-04-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

A carta, enviada à Congregação para a Doutrina da Fé – CDF, fechada na quarta-feira e difundida nesta quinta, leva as assinaturas de dois grupos na Alemanha e outros da Áustria, Suíça e Bolzano, a região de língua alemã do norte da Itália. Os grupos dizem que têm um milhão de membros no total.

Pedem uma “renovação da ética sexual e das relações” na Igreja Católica e um “reconhecimento da realidade cotidiana do povo em relações do mesmo sexo”.

O documento da CDF ratifica que a Igreja acolhe e abençoa as pessoas homossexuais, mas sustenta que as uniões não fazem parte do plano de Deus e que seu reconhecimento sacramental poderia se confundir com o matrimônio.

O documento agradou os conservadores e desalentou os defensores dos católicos LGBTs. A Igreja alemã esteve na vanguarda de iniciar a discussão sobre assuntos polêmicos, com o magistério em torno da homossexualidade.

Mais de 230 professores de teologia católica em países de língua alemã assinaram previamente uma declaração contra o pronunciamento do Vaticano, que, dizem, “caracteriza-se por seu ar paternalista de superioridade e discrimina os homossexuais e seus planos de vida”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mulheres católicas da Alemanha, Áustria e Suíça reivindicam ao Vaticano uma “renovação da ética sexual” da doutrina católica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV