Pior que trapalhadas, relatório McCarrick mostra as falhas do Vaticano em tratar os abusos seriamente

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • O Papa Francisco precisa operar a perna direita, mas responde: não quero. Ele teme os efeitos da anestesia, que no caso da colectomia foi uma experiência ruim

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Novembro 2020

“Enquanto a Igreja dá grandes passos na proteção de crianças, o escândalo McCarrick indica a necessidade de também se proteger seminaristas”, escreve Thomas Reese, jesuíta estadunidense, em artigo publicado por Religion News Service, 11-11-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis o artigo. 

O escândalo de abuso sexual envolvendo o ex-cardeal Theodore McCarrick tem sempre causado distúrbios, de pelo menos duas formas: pela alegação de abuso e a ideia de que um abusador poderia ascender tão alto na hierarquia católica.

A falha do Vaticano em verificar processos que sofreram seriamente múltiplas alegações por décadas sugere incompetência; nomeando o sujeito dessas alegações para ser cardeal arcebispo de Washington, como McCarrick foi, é equivalente ao FBI permitir um agente inimigo para um posto no Gabinete dos EUA.

O pior de tudo, o relatório do Vaticano sobre McCarrick, publicado em 10 de novembro, revela que pelo menos três bispos sabiam dos abusos e não fizeram nada. Isso é um sinal de que o clericalismo estava em ação tanto quanto a incompetência.

Isso nos faz pensar quantas outras acusações contra os bispos foram tratadas da mesma maneira.

O relatório também revela como é difícil responsabilizar os agressores sem o testemunho de suas vítimas. As vítimas devem ser honradas, respeitadas e encorajadas a se apresentar se a igreja quiser erradicar os agressores.

O abuso infantil ocorreu quando McCarrick era um jovem padre na década de 1970, mas as vítimas não se manifestaram até quase 50 anos depois. Assim que as vítimas se apresentaram, o papa Francisco rapidamente instruiu o cardeal Timothy Dolan, arcebispo de Nova York, a investigar. Quando as alegações foram consideradas convincentes, o Papa fez McCarrick renunciar ao cargo de cardeal e demitiu-o do sacerdócio em 2018.

Embora o abuso de menores de McCarrick não tenha sido descoberto até o papado de Francisco, as alegações de McCarrick dormindo com jovens adultos, incluindo seminaristas, apareceram quando ele estava sendo avaliado para ser arcebispo de Washington. Antes disso, diz o relatório, “nenhuma informação credível surgiu sugerindo que ele tivesse cometido qualquer conduta imprópria”.

As acusações se concentraram em seu tempo como bispo de Metuchen (1981-1986) e arcebispo de Newark (1986-2000).

Admitindo que ele já estava dormindo com seminaristas em Metuchen, é chocante que nada tenha acontecido quando ele foi examinado para Newark. Ou as pessoas erradas foram perguntadas ou elas não relataram que ele compartilhou a cama. Mais uma vez o clericalismo triunfou.

Antes de ser elevado à arquidiocese de Washington, cartas anônimas acusavam McCarrick de pedofilia com “sobrinhos”, termo que ele usava publicamente para designar menores e seminaristas dos quais era próximo. A essa altura, afirma o relatório, McCarrick “era conhecido por ter compartilhado sua cama com jovens adultos e seminaristas”.

Mas nenhuma vítima e apenas uma testemunha de má conduta sexual se apresentou. A testemunha, um padre, foi desacreditada por seu próprio abuso de menores.

O cardeal John O'Connor, de Nova York, advertiu o papa João Paulo II contra o avanço de McCarrick para Washington. O arcebispo Battista Re da Secretaria de Estado e o cardeal Lucas Moreira Neves, chefe da Congregação para os Bispos, também se opuseram à sua promoção.

Mesmo que eles não acreditassem que as alegações tivessem sido comprovadas, eles temiam que se tornassem públicas e prejudicassem a Igreja. Infelizmente, nenhum dos documentos expressa grande preocupação pelas vítimas.

Essas dúvidas interromperam o avanço de McCarrick no início, mas João Paulo II mudou de ideia depois de receber uma carta de McCarrick se defendendo. Re, que sucedeu a Neves como chefe da Congregação para os Bispos, também mudou de ideia, provavelmente porque sabia que João Paulo queria.

João Paulo II simplesmente não conseguia acreditar nas acusações contra alguém que ele conhecia e fazia amizade desde meados da década de 1970. Ele também respeitou o excelente trabalho de McCarrick para a Igreja.

Deixar de investigar adequadamente os rumores sobre McCarrick era um sinal de incompetência e clericalismo.

O relatório diz que o Vaticano tentou investigar os rumores entrando em contato com bispos em Nova Jersey, em vez de contratar um investigador treinado. Embora a investigação tenha confirmado “que McCarrick compartilhou uma cama com rapazes, mas não indicou com certeza que McCarrick se envolveu em qualquer conduta sexual imprópria”, o Vaticano encontrou uma maneira de ignorar isso.

O relatório reconhece que três dos quatro bispos de Nova Jersey “forneceram informações imprecisas e incompletas à Santa Sé sobre a conduta sexual de McCarrick com jovens adultos”.

O bispo Edward Hughes, sucessor de McCarrick em Metuchen, não repassou relatórios de seminaristas e padres que lhe disseram que haviam sido abusados por McCarrick. Os bispos James McHugh de Camden e John Smith de Trenton até testemunharam McCarrick tocando sexualmente um seminarista em um jantar, mas nunca relataram isso, disse o Vaticano.

Sem o testemunho negativo dos bispos ou das vítimas, “as acusações contra o prelado”, como concluiu um núncio, “não são definitivamente provadas nem totalmente infundadas”.

A recusa desses bispos em se apresentar é ultrajante. Eles faleceram, por isso não podem ser punidos, mas seus nomes devem ser removidos de quaisquer instalações da Igreja que os honrem. Foi o apoio deles, assim como o de muitos bispos, que pesou na nomeação de McCarrick para Washington.

Mesmo sem uma investigação mais aprofundada, frequentemente compartilhar uma cama com rapazes deveria ter impedido o avanço de McCarrick. Seu hábito de dormir com seminaristas e outros jovens clamava por investigação. O próprio McCarrick reconheceu que compartilhou “imprudentemente” a cama com rapazes, mas negou qualquer atividade sexual, mas o fato de ninguém o ter acusado de má conduta sexual real é irrelevante.

Se João Paulo II e o Vaticano sabiam que McCarrick tinha o hábito de compartilhar sua cama com seminaristas, sua carreira deveria ter acabado. Mesmo sem contato sexual, isso era totalmente impróprio.

O Vaticano aparenta desprezar sua má conduta ao notar que suas vítimas eram adultos, não crianças, mas o fato de que eram seminaristas faz disso um abuso de poder. Se ele simplesmente fosse pego um jovem em um bar, isso seria perdoável. Suas vítimas estavam sob sua autoridade, isso o desqualificaria de ser um bispo. Novamente, parece que muitos outros bispos receberam clemência semelhante.

O testemunho de João Paulo II para evoluir McCarrick demonstra a influência corrupta do clericalismo.

João Paulo II tinha um ponto cego quando se tratava de abusos sexuais do clero porque ele viu como os governos nazistas e comunistas na Polônia usavam dessas acusações contra bons padres. Ele pôde não ter acreditado sobre McCarrick, quem muito fez pela Igreja e foi um amigo leal, ser um abusador. Ele também recusou escutar testemunhas contra o padre Marcial Maciel, fundador dos Legionários de Cristo.

Outros também falharam em descobrir as infrações de McCarrick. Repórteres do New York Times, The Washington Post e The Star-Ledger em Newark escutaram rumores sobre McCarrick, mas poderia nunca levar qualquer um para gravar. Mesmo o governo federal perdeu os sinais de quando o investigavam para uma liberação de segurança.

Enquanto isso não há respostas para todas as minhas questões, o relatório McCarrick é um gigante passo à frente pela transparência. Ele relata em grandes detalhes, com citações de cartas e documentos, o processo pelo qual McCarrick foi avaliado.

Enquanto a Igreja dá grandes passos na proteção de crianças, o escândalo McCarrick indica a necessidade de também se proteger seminaristas.

Por exemplo, todo seminarista na Igreja deveria ser perguntado pelo menos uma vez por ano se sofreu algum abuso ou assédio sexual. Essa entrevista deveria ser feita por alguém independente do seminário e da diocese.

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pior que trapalhadas, relatório McCarrick mostra as falhas do Vaticano em tratar os abusos seriamente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV