Pedro Casaldáliga, presente!

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Agosto 2020

Pedro Casadáliga, santo, profeta e poeta nos acompanha agora na casa do Pai.

O último da grande geração dos Padres da Igreja que marcaram com luz a América Latina.

Está sendo velado na casa dos seus claretianos em Batatais, depois passará por Ribeirão Cascalheira, onde enfrentou a repressão, para dormir definitivamente em São Félix, às margens de seu mágico Araguaia.

A informação é de Luiz Alberto Gomez de Souza, sociólogo.

E tempo de festa na sua chegada aos céus. Lembramos um poema de Manuel Bandeira, Pedro abrindo de par em par as portas das quais é guardião: "Entra Pedro, tua casa te espera".

Foi ficando leve, leve, como uma pétala levada pelo vento da história.

Não é necessária confirmação canônica, ele é e já era em vida, Santo.

Soam suas duras palavras: 


"Malditas sejam todas as cercas!

Malditas todas as propriedades privadas que nos privam de viver e amar!

Malditas sejam todas as leis amanhadas por umas poucas mãos para ampararem cercas e bois, fazerem a terra escrava e escravos os humanos".
 

Nada como relembrar o soneto em que revela sua identidade:

 
"Si no sabeis quien soy. Si os desconcierta
la amálgama de amores que cultivo:
una flor para el Che, toda la huerta
para el Dios de Jesús. Si me desvivo
por bendecir una alambrada abierta
y el mito de una aldea redivivo.
Si tiento a Dios por Nicaragua alerta,
por este Continente aún cautivo.
Si ofrezco el Pan y el Vino en mis altares
sobre un mantel de manos populares
sabed del Pueblo vengo, al Reino voy.
Tenedme por latinoamericano,
tenedme simplemente por cristiano,
si me creéis y no sabéis quien soy!"

 

Vida sem fronteiras, derramando misericórdia, clamando por justiça, em união mística com o Pai.

Dali nos acompanhe nesta quadra triste de nossa história.

Não rezamos por ele, que vive a plenitude. Pedimos que reze por nós e pela América Latina ferida.


Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pedro Casaldáliga, presente! - Instituto Humanitas Unisinos - IHU