O preceito dominical não é indispensável e é algo que poderia cair. Entrevista com dom Víctor Manuel Fernández

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Abril 2020

“A perda de interesse pelos idosos se traduz na necessidade de transformar a demissão em um processo muito rápido”. Estas são as palavras do ex-reitor da Pontifícia Universidade Católica Argentina, Víctor Manuel Fernández, arcebispo de La Plata, que nesta entrevista oferece sua visão, de Buenos Aires, dos erros que nos levaram ao surgimento do coronavírus. Do mesmo modo, dom Fernández, muito próximo do pensamento do papa Francisco, diz que essa “espiritualidade virtual” que estamos experimentando deve durar apenas a duração da crise da saúde, uma vez que “a missa precisa da carne, a proximidade sensível, a presença física”.

A entrevista é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, 27-04-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis a entrevista.

 

Como a sociedade argentina percebe o envolvimento da Igreja e o papel que está desempenhando na pandemia? Está cumprindo sua função social?

A Igreja está tendo uma participação discreta, porque entendemos que, diante dessas circunstâncias extraordinárias, é possível ser muito humilde e ninguém pode se sentir sábio. Dadas as consequências da quarentena para os pobres e até para a classe média baixa, a Cáritas teve que ser reativada, o que em alguns lugares havia parado de funcionar. A novidade deste tempo é que as pessoas que nunca o fizeram vêm pedir ajuda, e a necessidade é agravada pela humilhação que isso lhes causa. Por outro lado, sem pretender ocupar o lugar do Estado, disponibilizamos espaços físicos que podem ser úteis. No caso da minha arquidiocese, oferecemos um prédio que está sendo usado para acomodar pessoas em situação de rua e também escolas e outros espaços para serem utilizados como hospitais de campanha, se necessário. Atualmente, os templos não parecem ser os locais mais adequados devido à falta de banheiros, falta de ventilação etc. No entanto, alguns foram usados temporariamente para vacinar as pessoas idosas e para outras necessidades.

Como instituição, você conseguiu tornar visível a luta contra a pandemia e quebrar o teto de vidro da grande mídia, especialmente a televisão?

Como eu estava dizendo, acho que em uma situação como essa não é conveniente conversar demais. No entanto, temos um tesouro de espiritualidade para nos ajudar a lidar com situações de dor, angústia, ansiedade etc. As redes sociais foram preenchidas com contribuições que, da fé, ajudam a sobreviver nesses momentos de confinamento.

Achas que a Igreja institucional fará parte do novo contrato social que parece estar sendo tecido?

Na verdade, isso já está acontecendo. Dias atrás, participei de um comitê de crise devido à situação prisional e somos frequentemente chamados a participar de várias ações da sociedade civil. A mensagem de uma presença discreta, humilde e ao mesmo tempo colaborativa e generosa me parece a mais apropriada.

A crise do coronavírus está trazendo à tona o lado religioso de muitas pessoas, até então ocultas ou encobertas? Os religiosos indiferentes retornarão ao catolicismo ou irão definitivamente procurar novas espiritualidades?

Acredito que nos últimos tempos temos crescido em diálogo com as novas necessidades espirituais das pessoas e vejo muitos padres mais dispostos a buscar uma linguagem existencial que melhor responda a novas sensibilidades. No entanto, observo que o aspecto da encarnação da espiritualidade católica continua a despertar ainda hoje um desejo e um interesse: a Eucaristia, sinais populares, etc. Não é preciso um novo gnosticismo para responder às consultas atuais. Estou falando da América Latina, onde os grupos pentecostais que mais cresceram são aqueles que de alguma forma “roubam”ou recriam os ritos sacramentais da Igreja Católica porque descobriram que essa síntese entre espiritualidade pentecostal e sinais sacramentais responde melhor às necessidades populares. Devemos estar cientes dessas tendências para não cometer erros. Pode acontecer que alguém acredite ter a grande proposta espiritual, mas, na verdade, atinge muito poucas pessoas.

Talvez na Europa existam linhas espirituais mais abundantes do tipo “nova era”, um pouco sem corpo, mas curiosamente elas também acabam procurando expressões sensatas: velas, incenso, algumas imagens etc. O desafio é poder assumir o que é legítimo ou respeitável lá, mas a partir de uma estrutura mais pessoal e social que evite a alienação.

O medo da morte pelo qual o corpo social passou encontrou na Igreja significado, consolo e esperança? Sem a possibilidade de funerais, a Igreja perdeu o último rito de passagem que restara?

De fato, além das normas ditadas pelas autoridades devido à pandemia, houve uma perda de interesse nos ritos funerários. Gradualmente, as procissões fúnebres desapareceram, os despertares foram encurtados ou desapareceram, muitas pessoas não vão mais aos cemitérios, algumas simplesmente descartam as cinzas jogando-as no rio. Mas, além da importância objetiva que se pode atribuir aos ritos funerários, essa dinâmica é realmente positiva? Ajuda a uma elaboração saudável do duelo? Em muitos casos, o que faz é consentir em uma perda de interesse pelos idosos, o que se traduz na necessidade de transformar a despedida em um processo muito rápido e, adeus, um problema a menos. Talvez a maneira pela qual muitas pessoas tiveram que se despedir de seus entes queridos em quarentena tenha o efeito oposto e, a médio prazo, cause uma reavaliação.

A Internet (outrora demonizada por muitos clérigos) foi estabelecida como um grande meio de humanização e evangelização?

Sim, muito foi feito através de vídeos e mensagens nas redes. E muitos padres e bispos viram que nas missas online temos mais fiéis do que antes. Mas para mim uma missa online é quase uma contradição. O aspecto sacramental da espiritualidade católica é uma extensão do mistério da Encarnação, de modo que para nós uma missa nunca será a mesma que uma escola dominical. A missa precisa de carne, proximidade sensata, presença física. Penso que temos de ser muito responsáveis por cuidar da saúde e da vida do nosso povo e não podemos forçar o retorno das massas com o povo, mas também não podemos dizer que isso não importa para nós ou que devemos nos orientar para uma espiritualidade virtual.

Como será a Igreja dos pós-coronavírus? Que características ele terá? Para que linhas de fundo ele apontará? Isso afetará as reformas do Papa Francisco?

Não sei se é conveniente tirar conclusões precipitadas sobre o que está por vir. Ninguém sabe. Penso que é necessário partir do princípio de que esta situação de distanciamento social é antinatural e provisória. Sei que alguns cientistas argumentam que as pandemias se tornarão mais frequentes, mas isso tem suas causas e deve nos obrigar a desacelerar um pouco e repensar a direção do mundo para impedir que isso aconteça. De qualquer forma, será necessário assumir uma vida mais austera e alocar mais recursos para prevenir e antecipar essas situações. De qualquer forma, teremos um longo tempo de distanciamento e quarentena, e isso sem dúvida exige que nos reinventemos. Não sei como o papa Francisco fará isso, porque ele insistiu muito na proximidade física, no “corpo a corpo” e viveu intensamente ele mesmo. Eu não acho que ele pense que devemos desistir definitivamente.

Pode continuar com sua atual estrutura econômica, territorial e funcional?

Essa é uma pergunta que se encaixa mesmo sem o coronavírus. Ainda mantemos com alfinetes uma estrutura de outra época, sem prever com eficiência seu alívio.

A pandemia despertou nos leigos a consciência de serem “pessoas sacerdotais” e, portanto, a exigência de assumir ministérios ordenados?

A tentativa de Francisco com Querida Amazônia foi mostrar que o grande desafio é capacitar os leigos e parar tão unidamente o sacerdócio e o poder. Sua proposta é “distribuir” o poder por meio de novos ministérios e funções “empoderadas”. Infelizmente, isso não foi esclarecido e um trabalho sério não está sendo feito nesse sentido.

A atual práxis sacramental, especialmente da Eucaristia e penitência, terá que ser revista?

Há coisas que às vezes acreditamos imutáveis e na realidade elas não são. O preceito de domingo, por exemplo, não é essencial e é algo que pode cair. A forma do sacramento da penitência mudou muito ao longo dos séculos. Quem lê a história deste sacramento pela primeira vez sempre se surpreende ao perceber que a forma atual é apenas uma das possíveis. De qualquer forma, a Igreja Católica não pode ser entendida sem a Eucaristia. Certamente, existem diferentes maneiras de conceber seu lugar: podemos interpretá-la de maneira apenas ritualística ou muito íntima, ou podemos entendê-la como a grande fonte de comunhão e compromisso fraterno. Para os católicos, na Eucaristia a própria Palavra de Deus alcança sua máxima eficácia; portanto, não é saudável uma contraposição entre Palavra e Sacramento.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O preceito dominical não é indispensável e é algo que poderia cair. Entrevista com dom Víctor Manuel Fernández - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV