"Voltei a sentir medo no Acre", diz sucessor de Chico Mendes

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Julho 2009

O seringueiro Osmarino Amâncio Rodrigues, considerado um dos sucessores do sindicalista Chico Mendes, está se sentindo ameaçado por se opor ao manejo madeireiro comunitário na Reseva Extrativista Chico Mendes.
Ele se sente ameaçado no Acre por causa da questão da madeira. Sua casa, no seringal Humaitá, colocação Pega Fogo, lá na Reserva Chico Mendes, foi invadida e destruída completamente. Sua dormida, seus utensílios, motosserra, furadeira de estaca, roçadeira. Era o seu patrimônio de trabalho do dia a dia. Não foi roubo. Alguém decidiu destruir mesmo, uma covardia. Se existe divergência de idéias, ninguém pode ser vítima desse tipo de vandalismo por pensar diferente.
Rodrigues é contra o manejo madeireiro e va trabalhar até as últimas conseqüências. Nos últimos meses ele estive envolvido na disputa pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri, fazendo campanhas de alerta contra o projeto de manejo comunitário de madeira. Em Brasiléia está orientando que as pessoas dos seringais não assinem os contratos de manejo comunitário de madeira. O governo estadual está orientando os seringueiros a aceitarem o manejo de madeira. Essa é uma política do governo. O manejo comunitário de madeira no Estado está atingindo uma proporção insuportável. É matéria-prima. Rodrigues é contra. Para ele é necessário trabalhar em defesa da agregação de valor e não apenas exportar matéria-prima.
O fato é que hoje a ambição em torno de madeira está muito maior do que na época do latifúndio, quando Chico Mendes liderava a resistência dos seringueiros. É muito brutal a política governamental de mercantilização da região. A situação vai se acirrar muito mais. Todos sabem que aqui já usaram o método da pistolagem. Agora talvez estejam apenas começando o terror psicológico com a destruição da casa, da estrutura de alguém que se opõe. Na semana passada, o governo do Acre retirou o programa do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri do ar. Retirou porque o candidato que apoiava foi derrotado. Está havendo caça às bruxas daqueles que pensam diferente da política governamental. Tudo está sendo feito de maneira muito bem premeditada.

(cfr.  notícia do dia 13-07-09, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Voltei a sentir medo no Acre", diz sucessor de Chico Mendes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV