10 de dezembro - Karl Barth

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Dezembro 2016

Karl Barth foi um teólogo cristão-protestante, pastor da Igreja Reformada e um dos líderes da teologia dialética e da neo-ortodoxia protestante. Basileia, 1968

Karl Barth, importante teólogo protestante e sua presença no Vaticano, falecido há quarenta anos.

Quando Karl Barth fez o exame no Concílio
Karl Barth, importante teólogo protestante e sua presença no Vaticano, falecido há quarenta anos é lembrado por Piergiorgio Grassi em artigo publicado pelo jornal Avvenire, 18-09-2008. A tradução é de Benno Dischinger.
Na manhã de 16 de maio de 1956, o jesuíta francês Henri Bouillard, colega e amigo de Henri de Lubac, defendeu sua tese de doutorado na Sorbonne ante uma comissão da qual faziam parte filósofos conhecidos como Henri Gouhier e Jean Wahl. Objeto da tese: a obra de Karl Barth.
A pesquisa foi publicada alguns anos mais tarde (Karl Barth, Gênese e evolução da teologia dialética) e continua sendo uma das interpretações mais agudas, do lado católico, do grande teólogo suíço. Mas, o que por muitos aspectos tornou a jornada singular foi a presença entre o público do próprio Barth. Viera da Basiléia acompanhado por Hans Urs von Balthasar e por Adrienne von Speyr. Numa carta descreveria o evento, notando que o doutorando escrevera um texto elaborado de bem 1200 páginas e que a discussão durara mais de cinco horas, "fadiga que foi depois celebrada num restaurante chinês". Sublinhava, posteriormente, que pela primeira vez, rompendo um costume centenário, a Sorbona admira para discussão a obra de uma pessoa viva: "Que agora, ao invés, (o autor) estivesse tão vivo a ponto de estar fisicamente presente, conferia a todo o evento uma elevada tensão e simultaneamente uma grande serenidade".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

10 de dezembro - Karl Barth - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV