"Massas estão zangadas", diz secretário da Liga Árabe

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • As águas do Brasil: o que vem por aí?

    LER MAIS
  • Nicarágua. Carta urgente de Ernesto Cardenal

    LER MAIS
  • Fratura em frente neodesenvolvimentista decretou queda de Dilma, avalia Boito Jr

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Janeiro 2011

"As massas árabes estão frustradas e zangadas, em toda parte".

A frase, dita por algum analista ocidental, soaria trivial, ante o que aconteceu na Tunísia, na Argélia e está acontecendo agora no Egito.

A reportagem é de Clóvis Rossi e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 27-01-2011.

Mas, saída da boca de Amr Moussa, ganha profundo significado. Ele é o secretário-geral da Liga Árabe, o conglomerado de todos os países cujas massas estão "frustradas e zangadas".

Antes, foi chanceler precisamente do Egito, a aparente bola da vez na crise, durante dez anos, até 2001, quando assumiu o cargo atual.

São, portanto, 20 anos no coração do establishment árabe, posição da qual se espera contemporização e não uma avaliação tão contundente, feita para a Folha, em conversa ontem mantida nos corredores do Centro de Congressos de Davos.

Moussa lista os motivos da frustração e da zanga: "políticos, econômicos e sociais".

Não entra em detalhes, mas é óbvio que está estendendo ao conjunto do mundo árabe os motivos que levaram à derrubada do ditador da Tunísia: regimes autoritários, imensa desigualdade social e falta de oportunidades, especialmente para os jovens, mesmo aqueles com diploma universitário.

O que é necessário fazer? "A palavra é reformas, em todos os países". A Folha quer saber se ele inclui a Arábia Saudita na lista de países que carecem de reformas, justamente o reino que parece mais estável.
"Repito: as massas árabes estão frustradas e zangadas, em toda parte", responde o secretário-geral da Liga Árabe, pondo a ênfase em "toda parte".

Junta-se à conversa um representante do banco suíço UBS, o que faz Moussa acentuar a cautela natural de um funcionário internacional ao falar da situação interna dos países-membros da sua organização.

Exemplo: quando a Folha quis saber se os governantes árabes estavam conscientes de que precisam fazer as reformas que ele defende, Moussa dá uma resposta evasiva: "Pelo menos no Egito [anteontem] não houve a violência que vimos em outros países".

Emenda: "É a típica situação de copo meio cheio, meio vazio".

"Mais cheio ou mais vazio?", insiste a Folha. "Boa pergunta", responde apenas.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Massas estão zangadas", diz secretário da Liga Árabe - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV