Militantes de esquerda defendem voto nulo no segundo turno em Porto Alegre

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Outubro 2016

Com a derrota dos candidatos do PT e do PSOL na briga pela prefeitura de Porto Alegre, a dúvida que fica é como a esquerda vai se posicionar no segundo turno. Para a militância, está fora de cogitação apoiar o deputado federal Nelson Marchezan Júnior (PSDB), notório defensor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, e o vice-prefeito Sebastião Melo (PMDB), do mesmo partido de Michel Temer, que tomou o lugar de Dilma.

A reportagem é de Cleidi Pereira e Juliana Bublitz, publicada por Zero Hora, 03-10-2016.

Pouco antes de Raul Pont (PT) reconhecer a derrota no comitê de campanha, na noite deste domingo, a militância petista entoou gritos de "é voto nulo, é voto nulo" — em geral associado a pessoas apolíticas ou fartas da política e como forma de protesto. Pouco depois, quando Pont falou na necessidade de sentar com os partidos da esquerda para definir o que fazer a partir de agora, os gritos voltaram.

No comitê de campanha do PSOL, Luciana Genro foi ovacionada pela militância quando afirmou que o partido não irá apoiar Melo nem Marchezan Júnior.

— Não há para nós nenhuma opção menos pior para Porto Alegre. Portanto, o PSOL não vai apoiar nenhum dos dois candidatos nem vai chancelar nenhuma candidatura — disse.

Durante a fala da socialista, militantes gritavam "50 de novo", em alusão ao voto nulo, que ocorre quando se digita um número existente na urna eletrônica.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Militantes de esquerda defendem voto nulo no segundo turno em Porto Alegre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV