Maria, a glorificada, e a crise pós-moderna

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • “Não acontece todos os dias de acompanhar o sepultamento de um santo”. Entrevista com Dom Adriano Ciocca

    LER MAIS
  • Covid-19: Estudo indica como a pandemia do novo coronavírus chegou e se disseminou pelo Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Agosto 2016

"O homem contemporâneo parece se bastar quando entra nas estivas apertadas de um 'navio' que sulca um mar sem horizontes longos. Ao cristianismo, isso não é suficiente: a assunção de Maria é o que ele pensa sobre o destino último do homem: este é chamado a se realizar em plenitude e para sempre. É o sentido do 'Glória', palavra que Hans Urs von Balthasar genialmente escolheu para dizer todo o cristianismo na sua monumental teologia."

A opinião é do teólogo e padre italiano Michele Giulio Masciarelli, professor da Pontifícia Faculdade Marianum, em Roma, e do Istituto Teologico Abruzzese-Molisano, em Chieti, na Itália. O artigo foi publicado por Settimana News, 13-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Falar de Maria é falar do cristianismo

Foi escrito que se interrogar sobre Maria é se interrogar sobre o cristianismo, não no sentido de que ela seja o seu centro, mas no sentido de que ela é central nele. Olhando para a Virgem de Nazaré, apontamos o olhar para o ícone feminino do cristianismo. Uma pergunta: olhando para essa Mulher, desvia-se dos interesses extremos do homem? E se fosse o ícone de um cristianismo fraco e ingênuo?

Essa é uma dúvida que, acima de tudo, os cristãos devem remover. Para dissipá-la, é de ajuda um pensamento de Joseph Ratzinger, teólogo, que, à atual crise da cristandade, à qual, como papa, ele dedicaria análises refinadíssimas e apaixonadas, chegou a dizer: "Poderia caber à devoção mariana o fato de operar o redespertar do coração e a sua purificação na fé" (Maria Chiesa nascente, Cinisello B., 1998, p. 27).

A Glorificada lembra que a história não nos basta

Com a sua assunção, acima de tudo, Maria nos apresenta o cristianismo como religião do futuro absoluto, mas também fala ao homem contemporâneo, que consome a sua existência no cotidiano e coloca as suas escolhas na breve terra de hoje, sem a pretensão de que elas devam surgir de longe (ausência da tradição) ou devam levar para longe (ausência da abertura ao futuro último).

Por outro lado, o presenteísmo não é o tempo bom para o homem do nosso "tempo fraco", nem a história, no seu conjunto, é a resposta adequada ao radicalismo da tensão ao futuro que está dentro do seu coração: "A intuição do próprio coração – afirma a Gaudium et spes – fá-lo julgar retamente, quando o leva a aborrecer e a recusar a ruína total e o desaparecimento definitivo da sua pessoa" (n. 18). Por isso, diz bem o filósofo Michele Federico Sciacca, quando afirma, com amável ironia: "Eu, com a história, acendo o meu cachimbo" (Come si vince a Waterloo, Milão, 1963, p. 12).

Infelizmente, o homem contemporâneo parece se bastar quando entra nas estivas apertadas de um "navio" que sulca um mar sem horizontes longos. Ao cristianismo, isso não é suficiente: a assunção de Maria é o que ele pensa sobre o destino último do homem: este é chamado a se realizar em plenitude e para sempre. É o sentido do "Glória", palavra que Hans Urs von Balthasar genialmente escolheu para dizer todo o cristianismo na sua monumental teologia.

A Glorificada convida à esperança

O fato é que muitas pessoas hoje – como denunciava Bento XVI – escorregaram para dentro do anel preto e sufocante do niilismo, que é filosofia fraca, mas que certamente tem a força de apertar o pescoço da "menina esperança", de que Péguy falava, e de sufocá-la. Diante do labirinto niilista que extravia o homem de hoje, destituindo-o das "grandes narrativas", prendendo-o somente ao presente, convencendo-o de que podem lhe bastar os futuros breves, alimentando-o sobretudo à ideia insana de uma vida sem "juízo final", o cristianismo, preocupado, se empenha para ajudar o homem da pós-modernidade a sair dela para evitar que ele caia nas garras do tigre cínico.

A Glorificada é imitável na fadiga dos dias

O cristianismo, também com a ostensão do ícone da Glorificada, diante de um homem que gosta de se contar como um ser sem raízes e sem promessas, convida a não ter medo do futuro, mas a ressumi-lo com confiança e seriedade, a interrogá-lo com radical rigor.

Desse modo, o cristianismo pensa que poderão ser desmascaradas:

- a pretensão de um futuro sem passado e sem presente, que não explicaria nem de onde nasce nem como se alimenta a força propulsora da sua esperança e, além disso, não explicaria o porquê da projeção da vida a um futuro que, sob essas condições, seria indeterminado e anônimo;

- a pretensão de um passado sem presente e sem futuro, que traz consigo o equívoco não resolvido de ter mitificado um trecho de tempo (o passado, justamente), enquanto não se dá conta de ter operado o esvaziamento de valores em relação ao presente, onde se desenvolve a nossa vida, e ao futuro, aonde a força da esperança nos leva;

- a pretensão de um futuro apenas utópico, cujo vetor de esperança muito fraco só pode se prender, com uma queda muito infeliz, no estreito recinto dos cemitérios dos homens;

- a pretensão de um presente sem passado e sem futuro, cuja condição de tempo incontaminado (por ser sem vínculos com o passado comprometido, e fracassado, e enredado apenas nos futuros breves) não justifica o seu valor e não dá a entender quanto pode durar.

Escolhas sapienciais

O cristianismo como religião do futuro absoluto convida o homem de hoje, doente de presenteísmo, a algumas escolhas sapienciais de grande urgência.

- libertar-se do fragmentarismo da história. A modernidade concebeu a história como um caminho regulado por um código necessário e inexorável. Segue-se a esse logicismo finalista, por reação, uma dolorosa fragmentação dele, que acaba se transformando em uma série puntiforme de flashes, desprovidos de qualquer verdadeiro fio condutor. O Magnificat, o canto da Filha de Sião, convida a reler a história nas entrelinhas dos desígnios da Providência.

- vencer o medo do futuro. Depois do entusiasmo utópico, insinua-se na psicologia da cultura ocidental a suspeita sobre o porte do princípio-esperança e sobre a credibilidade das suas promessas. O cristianismo confia ao ícone da Glorificada a exemplificação mais forte da sua confiança justificada em relação ao futuro.

- não confiar o tema do futuro humano ao "computador". Hoje, surge o problema de uma nova memória, a do computador, que pode ser transmitida ao futuro de uma forma muito rica e de um modo surpreendentemente amplo e preciso: ao futuro, próximo e remoto, podemos nos dispor com mais confiabilidade e prudência, mas permanece totalmente intacta a pergunta sobre o futuro último, que, a partir de um certo ponto de vista, é de natureza completamente diferente: na experiência dos "futuros breves", tudo consiste em ir para o futuro, enquanto, para a fé cristã, o futuro Deus é misteriosamente antecipado, e é possível vivê-lo na contemporaneidade com os nossos dias.

- abandonar o cinismo de uma vida sem "juízo final". O homem pós-moderno, que vive sem a esperança em um futuro último e no convencimento consequente de não ter que prestar contas a ninguém na noite da sua vida, cai nas garras do tigre cínico. Hoje, nas orientações culturais, nas escolhas políticas, nos estilos de vida das sociedades ocidentais, torna-se cada vez mais evidente a "crise" dos valores e das fés modernas por causa do ofuscamento do horizonte de sentido: é o nascimento de um cínico mundo sem esperanças, sem futuro, que parece trazer consigo os gérmens do seu próprio fim.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maria, a glorificada, e a crise pós-moderna - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV