Técnico de francês sugere que 'candomblé' estaria por trás de vitória brasileira no salto com vara

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Para Bolsonaro, a crise climática é uma fantasia, “um complô marxista”. Entrevista com Eliane Brum

    LER MAIS
  • “Como vocês explicarão aos seus filhos que desistiram?”. Discurso de Greta Thunberg em Davos

    LER MAIS
  • Em São Carlos, SP, direita adota tática nazista contra manifestantes, em visita da Ministra Damares Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Agosto 2016

O treinador do francês Renaud Lavillenie, medalhista de prata no salto com vara na noite de segunda-feira, sugeriu que a vitória do brasileiro Thiago Braz pode estar relacionada a "forças místicas, talvez as do candomblé".

"Thiago conseguiu um salto de 6,03m. Ele pode ter contado com a ajuda de forças místicas, talvez as do candomblé", afirmou Philippe d'Encausse, em entrevista ao jornal francês Le Monde.

"(O Brasil) é um país bizarro", acrescentou ele, "quase que em tom de admiração", segundo o diário.

A reportagem é publicada por BBC Brasil, 16-08-2016.

Renaud Lavillenie ficou com o segundo lugar após saltar 5,98m, cinco centímetros a menos que o brasileiro Thiago Braz, que garantiu o primeiro ouro masculino na história do salto com vara e ainda quebrou o recorde olímpico.

Nas redes sociais, o atleta francês fez duras críticas ao comportamento do público no Engenhão (Estádio Olímpico).

Ele reclamou das vaias e chegou, inclusive, a se comparar com Jesse Owens, o lendário velocista negro americano que fez história nos Jogos de Berlim de 1936 ao confrontar a "supremacia ariana" de Adolf Hitler.

"Em 1936, a multidão estava contra Jesse Owens. Não vimos isso desde então. Temos que lidar com isso", disse ele.

Lavillenie depois voltou atrás na comparação com Owens, mas não nas críticas ao público.

"Vice-campeão olímpico nesta noite com 5,98m, vencido pelo brasileiro por 6,03m. Dei tudo de mim e não tenho nenhum arrependimento. Uma prova inacreditável!! Só estou decepcionado com a total falta de respeito do público. Isso não é digno de um estádio olímpico. Mas estou contente com esta medalha", afirmou ele.

Os comentários dividiram os usuários. Enquanto a imensa maioria dos brasileiros descreveu o francês como "mau perdedor", seus compatriotas o defenderam fortemente, alegando que o comportamento da torcida foi "inadmissível".

Repercussão na imprensa

A imprensa francesa também repercutiu as críticas de Lavillenie. No rádio e na TV, comentaristas disseram estar escandalizados com o comportamento do público.

Segundo o Le Monde, o saltador francês "saiu de sua bolha de concentração, excedida pelas vaias do público carioca, que encoraja seus protegidos ao mesmo tempo em que desestabiliza seus adversários".

Já o Le Figaro disse que a prova "ocorreu sob condições difíceis", em alusão à chuva e às vaias.

Por outro lado, a imprensa francesa considerou inadequada a comparação de Lavillenie com Owens.

Segundo a agência de notícias AFP, o saltador "perdeu uma boa ocasião para ficar de boca fechada". Lavillenie pediu desculpas pela referência feita ao velocista americano "no calor do momento".

"Essa declaração polêmica foi amplamente comentada nas redes sociais e Lavillenie foi obrigado a se desculpar", disse a AFP.

Já o jornal 20 minutes disse que a comparação de Lavillenie, além de inadequada, não era verdadeira do ponto de vista histórico.

"Muitos filmes de época falam inclusive de aplausos do Estádio Olímpico de Berlim para parabenizar o atleta polivalente americano. Em resumo, Renauld Lavillenie tem razão de reclamar. Mas Jesse Owens não recebeu tratamento parecido em 1936", assinalou o jornal.

Leia mais...

8 argumentos dos organizadores para explicar 'mistério' das arenas vazias da Rio 2016

Forças Armadas, as caçadoras de medalhas

Olimpíadas Rio 2016: várias questões não foram respondidas. Entrevista especial com Orlando Alves dos Santos Junior

No morro, a disputa olímpica é por direitos

Olimpíadas: estado de exceção estabelece censura e outras violências

Os jogos olímpicos: metáfora da humanidade humanizada

As contradições nas arquibancadas da Olimpíada do Rio, da caridade à venda ilegal

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Técnico de francês sugere que 'candomblé' estaria por trás de vitória brasileira no salto com vara - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV