A história do sargento rebelde

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Padres da Caminhada se solidarizam com o padre Riva, vítima de racismo em Alfenas – MG

    LER MAIS
  • Acabemos com o sistema clerical

    LER MAIS
  • O que a dor nos ensina. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Agosto 2016

Foram as águas do Rio Jacuí que trouxeram à tona um dos crimes da ditadura de 1964 mais comentados pela imprensa local e nacional. Foi ali que o corpo do sargento Manoel Raymundo Soares foi encontrado, em 24 de agosto de 1966, com as mãos atadas e marcas de tortura. O episódio ficou conhecido como o caso das mãos amarradas e causou grande comoção popular a censura aos jornais ainda não havia sido instituída. Como em outros casos da época, ninguém foi punido pelo crime.

A reportagem é de Alexandre Lucchese, publicada por Zero Hora, 11-08-2016.

O episódio, que completa 50 anos este mês, é o tema do mais novo trabalho do jornalista Rafael Guimaraens, premiado autor de livros-reportagens. O sargento, o marechal e o faquir transforma em romance a vida de Raymundo Soares, bem como as investigações sobre seu assassinato. O volume será lançado hoje, com um bate-papo do autor com Carlos Frederico Guazzelli (da Comissão Estadual da Verdade) e Suzana Lisbôa (da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos). O encontro será na Fundação Ecarta (João Pessoa, 943, Porto Alegre), às 19h.

– A ideia de escrever um livro com linguagem de romance foi um modo de fazer mais gente se interessar para ler, não apenas aquelas que já se interessam por livros sobre a ditadura e direitos humanos – conta Guimaraens.

Apesar de ser narrado de modo leve e envolvente, O sargento, o marechal e o faquir não usa histórias ou detalhes ficcionais para condimentar a narrativa. Tudo é produto de rigorosa pesquisa jornalística – há mais de 10 anos Guimaraens estuda o caso. Mas há personagens que poderiam estar até em livros de ficção. Além de Soares, que nasceu pobre no Pará e mudou-se para o Rio, onde seguiu carreira militar e se transformou em um aficionado por música erudita, há outras personalidades que atraem a atenção do leitor. O marechal do título faz referência ao então presidente Castelo Branco (1900 – 1967), mas quem rouba a cena é Edu Rodrigues, também conhecido como o faquir Príncipe Aladim, que, depois de uma malfadada carreira fazendo jejum em camas de prego cercadas por serpentes, torna-se informante dos militares. É e ssa figura extravagante e insólita que delata Soares – o paraense já havia sido expulso do Exército, por não apoiar o golpe de 1964, e estava oculto em Porto Alegre para fazer contatos e estabelecer resistência ao regime militar.

O autor espera que o livro contribua para preservar a memória sobre o ditadura militar, principalmente para as novas gerações:

– Sem informação, os jovens podem idealizar o passado, achar que foi até mesmo bom. A anistia tenta estabelecer um pacto com base no esquecimento. Isso é uma coisa que não funciona em lugar algum. O esquecimento deixa feridas que estão até hoje abertas. As famílias não conseguem saber o que aconteceu com seus parentes, os torturadores andam soltos, e o país segue dividido.

Entenda o caso

- Um corpo foi encontrado com as mãos amarradas e marcas de tortura no Rio Jacuí, nas imediações da Ilha das Flores, em 24 de agosto de 1966. O fato chocou a população e a imprensa, ficando conhecido como “o caso das mãos amarradas”.

- Poucos dias depois, a identidade do morto foi descoberta. Era o ex-sargento paraense Manoel Raymundo Soares, expulso do Exército em julho de 1964, pois oferecia resistência ao golpe militar.

- Soares havia sido preso em 11 de março de 1966, sendo exposto a várias sessões de tortura. O ex-sargento visitava Porto Alegre para encontrar lideranças da resistência ao regime militar.

- Uma CPI foi criada para investigar o caso, mas ninguém foi punido pelo crime. Em 2005, uma ação movida pela viúva de Soares foi julgada, responsabilizando a União pela morte.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A história do sargento rebelde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV