“Jogaram nosso povo no quarto de despejo. Reuniremos 7 mil jovens em Belo Horizonte para dizer que essa casa é nossa!”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • “Não acontece todos os dias de acompanhar o sepultamento de um santo”. Entrevista com Dom Adriano Ciocca

    LER MAIS
  • Covid-19: Estudo indica como a pandemia do novo coronavírus chegou e se disseminou pelo Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Agosto 2016

O Levante Popular da Juventude prepara o 3º Acampamento Nacional que acontecerá de 5 a 9 de setembro. Com o lema “A nossa rebeldia é o povo no poder”, o movimento pretende reunir 7 mil jovens em Belo Horizonte.

Presenciamos em 2013 a juventude sendo protagonista e indo às ruas. No primeiro momento contra o aumento da tarifa de ônibus, em segundo por diversas pautas que incluíam mais saúde, educação, segurança. Também houve a juventude que foi às ruas contra a Copa, em 2014. Os jovens que ocuparam as escolas em 2015 e seguiram em 2016. As mulheres jovens que pediram #ForaCunha e todos os jovens que gritaram nas ruas #ForaTemer.

Foto: Levante Popular da Juventude | Coletivo de Comunicação

“Mas, ao mesmo tempo em que foi protagonista de diversas lutas, a juventude não tem uma referência organizativa e não se reconhece em um projeto político”, defendeu Jessy Dayane, da Coordenação Nacional do Levante Popular da Juventude. “Esse é o desafio do Levante: se apresentar como alternativa organizativa com um projeto para a juventude”, afirma a estudante de Serviço Social.

Seminário Maria Carolina de Jesus

O tema foi debatido durante o 2º Seminário Carolina Maria de Jesus, que ocorreu em Belo Horizonte durante os dias 21 a 24 de julho. O evento teve como objetivo reunir as coordenações estaduais do Levante Popular da Juventude para a preparação do 3º Acampamento Nacional que também vai acontecer em BH, de 4 a 9 de setembro.

O Seminário Carolina Maria de Jesus adotou esse nome em homenagem à catadora, escritora, mulher e negra que escrevia sua história nos papéis que achava no lixo. Além dela, outras e outros artistas brasileiros e latino-americanos foram homenageados. Cora Coralina, Chico Science, Augusto Boal, Eduardo Galeano, Violeta Parra, Mercedes Sosa, Pagu e Victor Jara foram lembrados durante o evento que aconteceu em paralelo com o Festival Nacional de Artes e Cultura da Reforma Agrária.

Desafios da Juventude

Durante o seminário ocorreram debates de diversos temas com o intuito de provocar reflexões coletivas para construir um projeto que aponte saídas para a juventude em relação ao momento de crise que estamos vivendo. Para Frederico Santana, da Consulta Popular, a juventude se mobilizou em 2013 impulsionada pelo paradoxo dos governos petistas. “Não podemos achar que junho foi um acontecimento ao acaso. A juventude foi para as ruas provocadas pelas contradições apresentadas pelo projeto neodesenvolvimentista”, aponta.

Para Antônio David, formado em Filosofia na USP, a juventude vive um momento de contradição. “O ascenso social proporcionado nos últimos anos cria uma expectativa de ter uma vida melhor que os pais tiveram”, considera o pesquisador. Para ele o neodesenvolvimentismo promete mais do que pode cumprir. “A principal contradição da juventude hoje é sua experiência de expectativa e frustração da expectativa”, apresenta.

Segundo Jessy Dayane, a palavra presente durante os períodos de crise é oportunidade. “Oportunidade de disputa de projeto de poder”, afirmou a estudante. Para Federico Santana também há uma grande responsabilidade e a ocasião para reformular as formas de fazer luta. “Oportunidade de refundar a esquerda sob novos parâmetros, novos valores, novas práticas políticas. Ter outro horizonte estratégico de transformação que leve o povo ao poder”, enfatiza.

O principal desafio apontado por Jessy é fazer a juventude se identificar com uma só bandeira. “Temos a necessidade de criar uma identidade comum na juventude, de se identificar em um sonho comum de transformar o nosso Brasil e o mundo”, pontua. A juventude contribui para expor as contradições da sociedade, a partir da sua rebeldia naturalmente exposta. Mas, para Jessy a teimosia dos jovens do Levante tem algo a defender. “Nossa rebeldia tem lado, tem classe, tem mística. A nossa rebeldia é o povo no poder e carrega lutadores e lutadoras, carrega a necessidade de seres humanos coletivos”, enfatiza. Para Antônio David é preciso criar um programa como práxis. “O que está no papel é só uma manifestação daquilo que nós somos”, aponta.

Erivan Hilário, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, diz que o Levante se propõe a uma ousadia histórica. “Construindo um programa pensado pela juventude para a juventude, ouvir a juventude é ver que caminhos ela está fazendo”, apontou. Além disso, o militante do MST apontou a necessidade de entender a diversidade dos sujeitos. “Precisamos alargar nossa compreensão sobre a ideia de classe trabalhadora e construir fontes de diálogo sem rebaixar nossos princípios”, desafia Erivan.

Acampamento Nacional

“A nossa rebeldia é o povo no poder” é o lema do 3º Acampamento Nacional do Levante Popular da Juventude que ocorrerá em setembro de 2016, com o intuito de reunir 7 mil jovens. O acampamento é uma oportunidade para o Levante se apresentar para a juventude. Segundo Frederico, o modo de não repetir os erros e as práticas políticas viciadas é investir no coletivo. “A alternativa para não cair nos vícios é construir coletivamente tendo em vista que só a organização da rebeldia garante nossas conquistas”, afirmou.

Durante o encontro foram realizados momentos com intervenções artísticas e culturais, utilizando as ferramentas da arte para enfatizar e sensibilizar os participantes para o lema do 3º Acampamento. “Jogaram nosso povo no quarto de despejo. Reuniremos 7 mil jovens em Belo Horizonte para dizer que essa casa é nossa!”, declarou Rosa Amorim, militante do Levante Popular da Juventude de Pernambuco, durante o encerramento do seminário.

Por Carolina Lima e Marilene Maia

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Jogaram nosso povo no quarto de despejo. Reuniremos 7 mil jovens em Belo Horizonte para dizer que essa casa é nossa!” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV