Autocrítica faz de "Fome" um filme ambicioso e maduro

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • O Evangelho de Lucas, “ano C”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2016

"A autocrítica é um dos motores da arte. Ao inserir essa cena, Burlan não está apenas cutucando acadêmicos e documentaristas, mas questionando os caminhos de seu próprio trabalho", escreve Sérgio Alpendre, crítico de cinema, em comentário sobre o filme "Fome", publicado por Folha de S. Paulo, 04-08-2016.

Eis o comentário.

Um homem velho, chamado uma única vez de Joaquim (e assim o chamaremos), anda pelas ruas de São Paulo com um carrinho de supermercados cheio de trapos. Uma câmera o persegue, flutuante como a de Alexander Sokurov em "Arca Russa".

Eis uma parte do que acontece em "Fome", novo longa de Cristiano Burlan (de "Mataram Meu Irmão").

{youtube}Aft9DzZUcP8{/youtube}

Após alguns minutos, vemos uma moça entrevistando outros moradores de rua. Entre eles Joaquim, que, para sua surpresa, fala francês perfeitamente. Joaquim é interpretado pelo professor de cinema e pensador Jean-Claude Bernardet (mais uma vez experimentando seu lado ator).

A operação é simples: desmontar nossos preconceitos e nossa percepção do que pode ser ficção ou documentário. Em outras palavras: trata-se de um filme crítico.

Existem duas cenas problemáticas. Uma delas mostra um casal burguês levando restos do jantar de um restaurante caro para Joaquim. O homem o acorda com os pés.

Essa cena inicialmente se enquadra em um certo oportunismo social (oh, burgueses cruéis), mas se justifica parcialmente por deixar ainda mais clara a altivez do personagem, revoltado, com razão, por ter sido acordado daquele jeito. Joaquim é miserável e faminto, mas tem orgulho próprio. Foi para as ruas porque quis, por preferir a liberdade à hipocrisia.

Outra cena problemática é o encontro com um aluno universitário, que reconheceu em Joaquim o seu antigo professor e o humilha, de maneira arrogante.

Novamente temos uma justificativa parcial: o ambiente universitário, segundo o filme parece defender, é em grande parte viciado, pois envolve professores e pesquisadores em uma engrenagem cruel de produtividade semelhante a de uma fábrica (no caso, de artigos que poucos irão ler).

Essas duas cenas recebem um contraponto preciso mais adiante. A aluna que entrevistou Joaquim questiona seus próprios procedimentos e a orientação de seu professor de maneira contundente, e com isso coloca na berlinda todos que se apoiam na representação dos desfavorecidos.

A moça também coloca "Fome" na berlinda. Porque é uma estratégia estética fácil, e cruel, utilizar artisticamente a fotogenia da pobreza.

A autocrítica é um dos motores da arte. Ao inserir essa cena, Burlan não está apenas cutucando acadêmicos e documentaristas, mas questionando os caminhos de seu próprio trabalho.

E assim fez seu filme mais ambicioso e maduro.

Ficha: 
FOME 
Direção: Cristiano Burlan
Elenco: Jean-Claude Bernardet, Ana Carolina Marinho, Henrique Zanoni
Produção: Brasil, 2015, 12 anos

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Autocrítica faz de "Fome" um filme ambicioso e maduro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV