Apoiar Erundina não deveria exigir discussão, mas o PT não aprende

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS
  • Recorde de queimadas reflete irresponsabilidade de Bolsonaro. Nota do Observatório do Clima

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Julho 2016

Aguardando para fazer uma tomografia retiniana, leio a notícia de que o PT havia decidido lançar Maria do Rosário como candidata à presidência da Câmara, enquanto o PCdoB fizera o mesmo com Orlando Silva. Isto dois dias depois de o PSOL confirmar que Erundina concorreria.

Acho que quem precisa de avaliar a visão não sou eu, mas a esquerda. Aliás, os líderes dos partidos poderiam aproveitar para fazer uma tomografia no cérebro também.

Será que não aprenderam NADA? Mesmo depois do colapso completo que testemunhamos nos últimos meses?

O comentário é de Pablo Villaça, publicado no Facebook e reproduzido por Jornal GGN, 13-07-2016.

Só há um motivo para a direita não ter conseguido destruir a esquerda completamente no Brasil: falta de liderança. Eles não têm um nome sequer capaz de cimentar a posição do grupo e servir como foco estratégico. O que a direita tem é um "cada um por si e Cunha por todos" - e não é à toa que Temer, o Pequeno, vem manobrando para salvar o mandato do amigo (lembrem-se do que Jucá, BRAÇO DIREITO de Temer, o Pequeno, disse; "Temer é Cunha e Cunha é Temer"). A estratégia, agora, é adiar ao máximo a votação da cassação de Cunha no plenário e de eleger alguém apoiado por ele para a presidência da Câmara: Rogério Rosso.

Mas como a direita é o que é, em vez de apoiarem Rosso, os deputados acabaram conseguindo a proeza de lançar mais QUINZE candidaturas.

E o que a esquerda faz para aproveitar a pulverização dos votos do outro lado?

Exatamente: decide pulverizá-los também do lado de cá.

Erundina é um nome histórico da esquerda. Uma mulher que SEMPRE manteve coerência absoluta em suas posições, criticando os próprios partidos aos quais pertencia quando estes abandonavam seus princípios. Fez isso com o PT e com o PSB quando este decidiu apoiar Aécio. Foi Erundina (ao lado de Moema Gramacho, do PT) quem ocupou a cadeira de Cunha num protesto belíssimo quando este se encontrava no auge do poder.

Apoiá-la não deveria exigir nem um segundo de discussão.

Mas, claro, o PT não aprende. Primeiro, um grupo dentro do partido defendeu apoiar RODRIGO FUCKING MAIA - um cara que lutou ardorosamente pelo impeachment. Agora, derrotados (e com a candidatura de Rosário retirada), estes deputados apoiam Marcelo Castro. Tudo bem, Castro foi ministro de Dilma e votou contra o impeachment.

MAS É DO PMDB E DISSE, ONTEM, QUE O GOVERNO TEMER NÃO PRECISA SE PREOCUPAR COM ELE.

Será que a esquerda QUER ser relegada ao esquecimento?

Eu tenho mil ressalvas ao PSOL. Acho Luciana Genro uma líder absolutamente desastrosa (e cheguei a esta conclusão mesmo depois de ter considerado votar nela em 2014, como falei aqui na época). Genro não tem visão estratégica e já demonstrou que não se importaria em ver a esquerda toda se ferrando caso isso aumentasse sua influência e a do PSOL.

Mas não há como negar que quadros gigantes do PSOL sempre correram para defender a esquerda quando esta precisou: Jean Wyllys, Erundina, Chico Alencar, Ivan Valente, Freixo. A fidelidade do PSOL à luta contra o golpe é mais exemplar do que a de MUITOS quadros do PT.

Além do mais, Erundina é Erundina.

Ela teria chance de vencer? Provavelmente não. Mas se apoiada em bloco pela esquerda poderia no mínimo obrigar Temer, o Pequeno, a escancarar mais ainda seu apoio a Rosso. Além do mais, foi o pragmatismo, esse pensamento de "ah, mas não teríamos chance", que nos trouxe até aqui.

Já passou da hora de o PT entender que já não é o gigante da esquerda que foi um dia e que precisa desesperadamente de fechar questão com os outros partidos do lado de cá.

Ou faz isso ou afundará com todos eles.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Apoiar Erundina não deveria exigir discussão, mas o PT não aprende - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV