Cardeal Nichols desencoraja padres a celebrarem a missa “ad orientem”

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Bento XVI queria Bergoglio como secretário de Estado?

    LER MAIS
  • Seminaristas: batalha perdida?

    LER MAIS
  • Assessor da bancada ruralista é nomeado presidente da Funai

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Julho 2016

O arcebispo de Westminster disse ao clero que a missa “não é o momento para os sacerdotes exercerem preferências ou gostos pessoais”.

A reportagem é de Madeleine Teahan, publicada por Catholic Herald, 11-07-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Cardeal Vincent Nichols escreveu aos padres da Diocese de Westminster desencorajando-os de celebrarem a missa voltados para o oriente.

Ele emitiu esta mensagem ao clero dias depois que o chefe litúrgico do Vaticano, o Cardeal Robert Sarah, convidou os sacerdotes a celebrar a missa “ad orientem” a partir do próximo Advento em diante.

O Cardeal Sarah estava falando em um congresso litúrgico em Londres.

Na sequência da sugestão feita pelo Cardeal Robert Sarah no evento Sacra Liturgia em Londres, Nichols escreveu aos sacerdotes lembrando-lhes que “a Instrução Geral do Missal Romano – IGMR, aprovada pela mais alta autoridade na Igreja, dispõe no parágrafo 299 que ‘O altar seja construído afastado da parede, a fim de ser facilmente circundado e nele se possa celebrar de frente para o povo, o que convém fazer em toda parte onde for possível. O altar ocupe um lugar que seja de fato o centro para onde espontaneamente se volte a atenção de toda a assembleia dos fiéis. Normalmente seja fixo e dedicado’”.

Embora observe que a Congregação para o Culto Divino tenha confirmado, em 2009, que esta instrução ainda autoriza que a missa seja celebrada virado para o oriente, o cardeal escreveu: “Mas ela também ‘reafirma que a posição em direção à assembleia parece mais conveniente na medida em que torna a comunicação mais fácil’. Portanto a perspectiva manifesta na IGMR permanece em vigor sempre que a Forma Ordinária da missa for celebrada”.

O Cardeal Nichols disse que a missa não é o momento para os padres “exercerem preferências ou gostos pessoais”, e “como o último parágrafo do IGMR afirma tão claramente: ‘Assim pois, o Missal Romano, ainda que na diversidade de línguas e em certa variedade de costumes, para o futuro, deverá ser conservado como instrumento e sinal preclaro da integridade e unidade do Rito romano’” (399).

Depois do congresso Sacra Liturgica na semana passada, o Cardeal Sarah fez uma visita pessoal ao Cardeal Vincent Nichols.

Enquanto isso, o Pe. Antonio Spadaro, assessor papal e editor da influente revista La Civiltà Cattolica, demostrou no Twitter o seu apoio à missa rezada de frente para o povo.

Na sequência dos comentários amplamente divulgados do Cardeal Sarah, Spadaro tuitou citações da Instrução Geral do Missal Romano, tais como: “O altar seja construído afastado da parede, a fim de ser facilmente circundado e nele se possa celebrar de frente para o povo” e “o sacerdote convida o povo a rezar, dizendo, de mãos unidas: Oremos”.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Nichols desencoraja padres a celebrarem a missa “ad orientem” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV