Esquerda e direita. Artigo de Gianfranco Ravasi

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Julho 2016

"O funeral das ideologias não apenas varreu – beneficamente – os dogmatismos, as histerias teóricas, os sistemas cristalizados. Também simplificou o pensamento, banalizou a projetualidade, zombou dos ideais, apagou a dialética, reduziu o debate ou a vazio ou a confronto."

A opinião é do cardeal italiano Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, em artigo publicado no jornal Il Sole 24 Ore, 10-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

"Estranha época – dirão os historiadores do futuro sobre nós – aquela em que a esquerda não era esquerda, a direita não era direita, e o centro não estava no meio."

Lembro-me dele nos anos 1960, como ministro da Cultura com o retorno de De Gaulle ao poder. André Malraux, porém, tinha sobre as costas uma vida turbulenta como escritor, arqueólogo, crítico, viajador, combatente, aventureiro. Nascido incendiário, morreu bombeiro, ao menos em nível político. E, sobre a política, escreveu coisas como a citada acima, que pareceria o comentário de um notista parlamentar dos nossos dias (e, ao contrário, Malraux morreu em 1976).

O funeral das ideologias não apenas varreu – beneficamente – os dogmatismos, as histerias teóricas, os sistemas cristalizados. Também simplificou o pensamento, banalizou a projetualidade, zombou dos ideais, apagou a dialética, reduziu o debate ou a vazio ou a confronto.

Por isso, talvez seja necessário retornar à distinção, à doutrina, à gama das cores, abandonando o cinza monocromático.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Esquerda e direita. Artigo de Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV