Agricultura familiar, prioridade contra a fome na América Latina

Revista ihu on-line

Hospitalidade

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos malteses: católicos recasados “em paz” podem comungar

    LER MAIS
  • O novo salto global da desigualdade

    LER MAIS
  • Cardeais: quem pode atirar a primeira pedra?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

28 Junho 2016

A cada dia, 27 milhões de latino-americanos e caribenhos, cerca de 5,5% da população regional, acordam sem ter o que comer. É um número ainda colossal, mas bem menor do que a média de 58 milhões registrada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) no período entre 1990 e 1992. À época, 14,7% dos moradores da América Latina e do Caribe sofriam com a desnutrição.

A reportagem é de Mariana Kaipper Ceratti, produtora online do Banco Mundial, publicada por El País, 27-06-2016.

Por isso, pode-se dizer que a América Latina e o Caribe cumpriram a missão — estabelecida nos Objetivos do Milênio — de diminuir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção de pessoas que sofrem com a fome. As Nações Unidas ainda consideram que a região está entre as que fizeram progressos mais rapidamente, devido ao ótimo desempenho econômico e agrícola e às políticas de proteção social adotadas no período. Entre elas, os programas de alimentação escolar e apoio à agricultura familiar.

Mas um olhar mais a fundo revela como os progressos foram desiguais e o quanto determinadas sub-regiões terão de evoluir para a América Latina e o Caribe como um todo alcançarem a meta número 2 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU em 2030: acabar com a fome, conquistar a segurança alimentar e promover a agricultura com sustentabilidade.

A maior parte dos avanços feitos pela região foi feita pela América do Sul, segundo a FAO. Nela, foi possível diminuir a desnutrição em 75% desde 1990, fazendo com que a prevalência registrada em 2015 fosse de menos de 5%. Já a América Central reduziu o problema em 38,2% no período. Exatamente 6,6% dos centro-americanos sofriam de desnutrição no ano passado.

No Caribe, a queda foi ainda menor: 26,6% entre 1990 e 2015, resultado puxado principalmente pelo Haiti, país de economia frágil, que enfrenta desastres naturais constantes e baixa disponibilidade de comida para atender ao crescimento da população. Quase 20% dos caribenhos ainda lutavam contra a desnutrição em 2015.

Cereais e nutrição

O desafio de acabar com a fome até 2030 será grande não só na América Latina, mas também no resto do mundo. O percentual de desnutrição caiu quase pela metade em todo o planeta, de 19% para 11%, nos últimos 25 anos. No entanto, ainda há 795 milhões de pessoas desnutridas no mundo hoje, a maior parte delas em países de baixa renda, como os da África Subsaariana.

O relatório Indicadores de Desenvolvimento Global 2016, do Banco Mundial, acrescenta que será difícil cumprir a segunda meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável se o ritmo atual de queda continuar. Para acelerá-lo, é fundamental elevar a produtividade agrícola das famílias de baixa renda, já que 70% dos pobres do mundo trabalham no campo.

Outro motivo para apostar na produtividade agrícola — em especial a de cereais — é o fato de ela influenciar diretamente os números de forme e desnutrição. De 2000 a 2012, quando houve aumento médio anual de 2,6% na produção de cereais nos países de baixa renda, a pobreza e a desnutrição caíram 2,7% ao ano. Já entre 1990 e 1999, quando a produção ficou estagnada nos países mais pobres do mundo, houve pouca melhora nos índices de pobreza e saúde nutricional.

Os programas de proteção social que permitiram à América Latina e ao Caribe avançar nos Objetivos do Milênio também podem ser uma inspiração para o resto do mundo. Ao aumentar a produtividade e reduzir a vulnerabilidade dos pequenos agricultores, bem como melhorar a qualidade da nutrição das crianças em idade escolar, eles vêm contribuindo significativamente para melhorar a segurança alimentar na região.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Agricultura familiar, prioridade contra a fome na América Latina