Mais de 1200 refugiados morrem de fome na Nigéria

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Junho 2016

Segundo a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF), mais de 1200 pessoas morreram à fome ou vítimas de doença num campo de refugiados localizado no nordeste da Nigéria, em Bama. De acordo com o que foi relatado pelos MSF, cerca de 24 mil pessoas – 15 mil das quais são crianças e 4500 com menos de cinco anos – estão alojadas na cidade do estado de Borno, depois de terem fugido do grupo terrorista Boko Haram.

A reportagem é de Filipa de Sousa, publicada por Público.pt, 23-06-2016.

Na terça-feira realizou-se a primeira visita dos MSF à cidade de Bama após esta ter sido resgatada do grupo terrorista, em Março de 2015, relata o jornal The Guardian.

“Disseram-nos que pessoas de lá, incluindo crianças, morreram à fome. De acordo com as informações dadas à MSF por pessoas que vivem agora em Bama, novas campas aparecem diariamente. Foi-nos dito que em alguns dias mais de 30 pessoas morreram devido a fome ou doença”, explica Ghada Hatim, responsável pela missão nesta cidade nigeriana, através de um comunicado divulgado esta quinta-feira pelos Médicos Sem Fronteiras.

Nessa visita descobriram uma crise que caracterizam de “emergência humanitária catastrófica”. Dezasseis crianças com malnutrição aguda grave, em risco de morte, foram encaminhadas para um centro em Maiduguri para receberem tratamento. Foram ainda encontradas 1233 campas que foram escavadas no último ano - 480 pertencem a crianças.

Segundo a BBC, o Boko Haram já provocou 20 mil mortos e mais de dois milhões de deslocados durante a revolta que dura há sete anos, para além de terem sido os autores de milhares de sequestros, como o rapto de mulheres em Chibok de há dois anos.

Apesar de o exército nigeriano ter conseguido recuperar grande parte do território antes ocupado pelo grupo terrorista, que no ano passado jurou fidelidade ao Estado Islâmico, os ataques de bombistas suicidas continuam a acontecer com frequência, acrescenta The Guardian. Segundo um relatório publicado este ano pela UNICEF, o Boko Haram recorre cada vez mais a crianças para os ataques suicidas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 1200 refugiados morrem de fome na Nigéria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV