Após 9 anos e R$ 1,6 trilhão, legado de Coutinho no BNDES é controverso

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Agnes Heller, uma filósofa radical em busca da aventura da existência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Junho 2016

Mais longevo presidente da história do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Luciano Coutinho deixa o banco da avenida Chile, no Rio de Janeiro, com um legado controverso, segundo economistas ouvidos pela Folha.

A reportagem é de Bruno Villas Bôas, publicada por Folha de S. Paulo, 01-06-2016.

Em nove anos sob sua presidência, de maio de 2007 a maio de 2016, o BNDES aprovou operações no valor de R$ 1,56 trilhão. O total desembolsado foi de R$ 1,2 trilhão, o equivalente a 43 vezes o orçamento do Bolsa Família (R$ 28 bilhões em 2016).

Foi também sob sua gestão que o BNDES implementou a hoje extinta política de formação de "campeões nacionais" –companhias selecionadas para se tornar gigantes em seus setores e competir no mercado internacional.

O banco virou assim um símbolo do modelo econômico do segundo mandato do presidente Lula e do primeiro mandato de Dilma Rousseff, orientado pela expansão de gastos e aumento do papel do Estado na economia.

Coutinho será substituído nesta quarta (1º) na chefia do banco pela executiva Maria Silvia Bastos Marques.

Socorro na crise

O papel do BNDES começou a crescer sobretudo após a crise iniciada no mercado hipotecário americano, em setembro de 2008. O banco socorreu empresas que quase foram à lona após especular com derivativos cambiais, como Aracruz e Sadia.

O Brasil implantou uma política de expansão do crédito e redução de impostos a setores escolhidos. Isso impulsionou a projeção do banco. De lá para cá, os desembolsos dispararam: cresceram 189% de 2007 a 2015.

O problema é que os desembolsos eram sustentados por transferências do Tesouro, o que elevou a dívida pública. O BNDES deve hoje R$ 518 bilhões ao Tesouro.

Bancos de fomento tem como função apoiar a expansão e modernização de empresas. O resultado dessa política no Brasil, porém, é contestado por Sergio Lazzarini, professor do Insper e coautor de um livro sobre o BNDES.

"Mesmo com desembolsos do BNDES, a taxa de investimento pouco se moveu. Foi um período de desindustrialização. Houve ainda críticas de favorecimento", diz.

Para ele, a expansão do BNDES teve elevado custo aos cofres públicos, calculado pela diferença da TJLP (taxa de juros de longo prazo) e a Selic (juros básicos), que o Tesouro paga na sua dívida.

"Fora o custo de oportunidade, que seria aplicar o dinheiro em educação, saneamento, saúde", afirma.

Ganhos

Coutinho costuma discordar dessa conta. Afirma que ela desconsidera benefícios como os lucros do BNDES e os impactos sobre investimento e geração de impostos.

Nascido em Pernambuco, Coutinho tem doutorado pela Universidade Cornell (EUA) e foi professor na Unicamp. Antes de assumir a presidência do BNDES, era sócio da LCA, que presta serviço de consultoria a empresas.

Mauricio Canêdo Pinheiro, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV, diz que uso do BNDES para financiar operações de grandes empresas nunca teve "sentido econômico" e não tem "ganho social".

Para ele, o legado positivo de Coutinho seria ter ampliado as linhas de apoio financeiro, como em inovação.

"Coutinho não chegou lá. Ele executou a política do governo, com custo fiscal altíssimo, tributando sociedade para emprestar a juros muitas vezes subsidiados."

Com a crise fiscal brasileira, o BNDES precisou pisar no freio. Tornou seus financiamentos mais caros e restritos. Os desembolsos do banco despencaram 28% em 2015 para R$ 135,9 bilhões.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após 9 anos e R$ 1,6 trilhão, legado de Coutinho no BNDES é controverso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV