Travessia do Mediterrâneo matou mais de mil em uma semana

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Segunda onda da covid-19 no Brasil é ‘risco iminente’, alerta Nicolelis

    LER MAIS
  • A horripilante foto eleitoral da ‘terrorista de direita’

    LER MAIS
  • Os ricos do mundo mais ricos com a covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 01 Junho 2016

Mais de mil migrantes morreram na última semana tentando chegar à União Europeia (UE) por meio da travessia do Mar Mediterrâneo, afirmou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) nesta terça-feira (31/05).

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 31-05-2016.

A maioria dos migrantes estava em embarcações precárias que partiram da Líbia e naufragaram durante o percurso. De acordo com a OIM, em nove ocorrências registradas desde 25 de maio, 62 mortes foram confirmadas e outras 971 pessoas estão desaparecidas. As informações foram baseadas nos relatos de sobreviventes.

Essa é a segunda semana mais mortal desde janeiro de 2014, quando mil pessoas morrerem durante a travessia, disse o porta-voz da OIM Joel Millman. Em abril do ano passado, 1.244 migrantes morreram em apenas uma semana.

Já nos cálculos da agência da ONU para Refugiados (Acnur), pelo menos 880 pessoas morreram no Mediterrâneo na última semana. A agência, porém, admitiu que o número pode ser maior.

O porta-voz da Acnur William Spindler ressaltou que este ano é particularmente mortal, com mais de 2,5 mil mortes em naufrágios comparadas com as cerca de 1,8 mil registradas no mesmo período do ano passado.

"No momento, os traficantes estão colocando pessoas em barcos inadequados e, em muitos casos, não apropriados para fazer a travessia. Assim, logo após a partida da costa, eles ligam pedindo resgate. É uma corrida contra o tempo para chegar ao local antes de essas embarcações afundarem e, em algumas ocasiões, o resgate chega muito tarde", disse Spindler.

Algumas embarcações que partem da Líbia carregam mais 600 pessoas a bordo. "Precisamos combater os traficantes, mas não adianta fazer apenas isso, sem oferecer alternativas às pessoas. Muitas pessoas fazem essa travessia perigosa porque elas não têm escolha", ressaltou.

Somente em maio, cerca de 19 mil migrantes chegaram à Itália. Apesar do aumento em relação a abril, o número ainda é menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando 21,2 mil pessoas alcançaram o país através do Mar Mediterrâneo.

Segundo a Acnur, aproximadamente 200 mil migrantes alcançaram a União Europeia via Mediterrâneo neste ano. Entre eles, quase 47 mil desembarcaram na Itália.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Travessia do Mediterrâneo matou mais de mil em uma semana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV