Exército deve ocupar seis favelas durante a Olimpíada do Rio, em agosto

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

    LER MAIS
  • Enquanto Amazônia arde, governistas e ruralistas aprovam mais incentivos à devastação no Senado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Maio 2016

As Forças Armadas estão sendo preparadas para ocupar seis favelas do Rio durante a Olimpíada, em agosto. Um estudo elaborado por militares e pela secretaria de Segurança do Estado do Rio prevê ações em comunidades próximas às vias por onde irão passar turistas, autoridades e delegações de atletas.

Nesta quinta (12), o tenente-coronel Luciano Carvalho de Souza, integrante da equipe da Segurança, confirmou o estudo em uma audiência pública na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

A reportagem é de Marco Antônio Martins, publicada por Folha de S. Paulo, 13-05-2016.

No início da noite, a assessoria da pasta divulgou nota informando que não "há uma definição sobre a ocupação de novas comunidades". O Ministério da Defesa confirmou ações de policiamento na área de Deodoro –onde acontecerão parte dos eventos.

O assunto vem sendo tratado de forma sigilosa e o estudo vai levar em conta o cenário da cidade durante os Jogos. O aumento nas estatísticas de violência e a crise econômica no Rio, que interrompeu os investimentos na área de segurança no Estado, levaram ao estudo.

Vem chamando a atenção o grande número de casos de balas perdidas em comunidades e o aumento da violência em vias importantes como a Linha Amarela.

No último sábado (7), a adolescente Ana Beatriz Frade, 17, morreu após ser baleada numa tentativa de assalto na via expressa, que liga o Aeroporto Internacional do Galeão à Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade. 

Pela mesma via passarão as delegações e autoridades que seguirão do aeroporto ao parque olímpico na Barra. Junto à avenida estão duas comunidades vistas como problemáticas: Manguinhos e o Complexo da Maré, onde a crise econômica impediu a instalação de uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora).

Militares –em alguns casos, com auxílio da Polícia Militar– devem concentrar-se nos acessos às comunidades, impedindo a ação de traficantes armados.

A operação contempla ainda a Cidade de Deus, também localizada junto à Linha Amarela, já próxima à chegada da Barra, além de três comunidades na zona norte: Muquiço, Chapadão e Pedreira. As três favelas ficam a um quilômetro do parque olímpico de Deodoro. Na semana passada, um blindado do Exército foi atacado por traficantes no Muquiço, o que levou os militares a uma ação na comunidade.

O estudo deixa de lado os complexos do Alemão e da Penha, na zona norte, áreas em que as UPPs têm enfrentado resistência de traficantes de drogas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Exército deve ocupar seis favelas durante a Olimpíada do Rio, em agosto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV