Em eventual gestão Temer, Jucá quer indicar novo presidente para a Vale

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Estas são as razões do ‘adeus’ do (ex-)cardeal Angelo Becciu

    LER MAIS
  • “O Óbolo de São Pedro foi usado para pagar um imóvel em Londres”: a investigação sobre o cardeal Becciu

    LER MAIS
  • Pantanal: “Já queimaram uma área tão grande que os bichos não têm mais para onde correr”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Mai 2016

Escolhido para comandar o Ministério do Planejamento do provável governo Michel Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) quer levar a mineradora Vale para sua área de influência e participar da escolha do próximo presidente da companhia.

Jucá manifestou o desejo a outras pessoas próximas de Temer numa das discussões sobre novos nomes para o governo e para empresas estatais, segundo a Folha apurou. Aliados do senador disseram que o tema será tratado mais adiante.

A reportagem é de David Friedlander, publicada por Folha de S. Paulo, 10-05-2016.

Procurado, Jucá preferiu não comentar o assunto. O presidente da Vale, Murilo Ferreira, também não.

Embora seja privada, a Vale sofre forte influência dos fundos de pensão estatais Previ, Funcef e Petros, que estão no bloco de controle da empresa. Os sócios privados são Bradespar, do Bradesco, e o grupo japonês Mitsui.

A companhia tem mais de 500 mil acionistas e suas ações são negociadas nas Bolsas de Nova York e na Europa, além do Brasil.

Mina de investimentos

Com um caixa bilionário, dona de minas gigantescas, ferrovias e portos, a Vale é um endereço tradicionalmente assediado por políticos, prefeitos e governadores em busca de investimentos para suas regiões.

Murilo Ferreira, foi uma escolha pessoal da presidente Dilma Rousseff – embora formalmente ele tenha sido indicado por uma empresa de recrutamento de executivos.

Ferreira, que recentemente teve seu contrato renovado até 2017, hoje tem o apoio dos acionistas, segundo a Folha apurou. Mas assumiu a Vale depois de um processo tumultuado, em 2011, depois que o executivo Roger Agnelli foi colocado para fora da companhia por pressão da presidente Dilma.

Até então próximo do governo, Agnelli caiu em desgraça depois de cortar funcionários e investimentos na crise global de 2008, contrariando pedidos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Pressões

Agnelli tinha sido indicado para o cargo pelo Bradesco, de quem era homem de confiança. Mas o banco acabou cedendo às pressões dos fundos de pensão estatais e do então ministro da Fazenda Guido Mantega.

Um acordo fechado na privatização da Vale, em 1997, prevê que o Bradesco escolha o presidente executivo da empresa, enquanto os fundos estatais são responsáveis pela nomeação do chefe do conselho de administração.

Esse acordo de acionistas vence em 2017 e sua renovação ou mudança pode mexer com o destino da segunda maior mineradora do mundo e uma das maiores do país.

Embora venha sofrendo com a queda do preço do minério de ferro, seu principal produto, a Vale planejou investimentos de US$ 5,5 bilhões (cerca de R$ 20 bilhões) para este ano.

Em meados dos anos 2000, Lula aproveitou o caixa da Vale para promover investimentos, principalmente em Estados governados por aliados. Ele convenceu a mineradora a investir na construção de siderúrgicas no Rio de Janeiro, Pará, Maranhão, Ceará e Espírito Santo. A do Rio ficou pronta e a do Ceará está para entrar em operação. As demais não saíram do papel.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em eventual gestão Temer, Jucá quer indicar novo presidente para a Vale - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV