Documento do PMDB revela total desconhecimento sobre pobreza no Brasil, diz ministra

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Assim arma-se a próxima crise financeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 05 Maio 2016

O documento Travessia Social, que apresenta a visão do PMDB sobre políticas sociais para um eventual governo de Michel Temer, tem erros graves sobre o diagnóstico da pobreza no Brasil e revela um profundo desconhecimento da realidade do povo mais pobre do país. A afirmação foi feita pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, durante entrevista coletiva com blogueiros na manhã desta quarta-feira (4), em Brasília.

A reportagem é de Marco Weissheimer e publicada por Sul21, 04-05-2016.

Na entrevista, transmitida ao vivo pela internet, Tereza Campello advertiu para os riscos de graves retrocessos na área social indicados nos documentos que o PMDB vem divulgando. “O documento intitulado Travessia Social, aliás o mesmo nome do programa do candidato Aécio Neves, derrotado nas eleições de 2014, fala, por exemplo, que a pobreza afeta grupos humanos dispersos no Brasil, desconhecendo completamente que cerca de 55% da pobreza está localizada nos centros urbanos. Não são, portanto, grupos humanos dispersos”, assinalou a ministra.

Além de revelar um desconhecimento sobre a realidade da pobreza no país, acrescentou, esse documento sinaliza retrocessos graves como a proposta de reduzir o Bolsa Família para apenas 5% dos mais pobres. “O nosso debate sempre foi para incluir. Agora, eles estão propondo uma agenda para excluir, sinalizando um risco de grande retrocesso na rede de proteção social. Se essa agenda for aplicada, poderemos voltar a perder gerações inteiras no país”, disse Tereza Campello.

Nas últimas semanas, assinalou ainda a ministra, o debate sobre políticas sociais voltou à mídia, reproduzindo uma série de preconceitos e inverdades. Várias pessoas saíram falando absurdos sobre o Bolsa Família. Nós recebemos gente de todo mundo que vem conhecer nossa experiência. O Banco Mundial considera o Bolsa Família o melhor programa de transferência de renda do mundo.

“Tem gente que diz que o Brasil está vivendo uma crise porque gastou muito com o Bolsa Família, o que é falso. Quanto custaria para o Brasil não pagar o Bolsa Família? Eu topo fazer esse debate. Tirar o pobre do orçamento não vai resolver problema fiscal nenhum e o custo no longo prazo sera enorme para o estado e para a sociedade brasileira.”“Nós fizemos o cálculo quantos perderiam o Bolsa Família se ele fosse reduzido a apenas 5% dos mais pobres. Só de crianças até 15 anos seriam 7 milhões. Estão nos excluindo dessa discussão e, mais do que isso, querem proibir que falemos, que defendamos o que fizemos nestes últimos anos e advertindo para os riscos de retrocesso. O nível de preconceito contra a população pobre no Brasil está chegando a um patamar perigoso. Não é mais o patamar confuciano do tem que ensinar a pescar, é xingar de vagabundo mesmo. O padrão é voltar à época da escravidão”, denunciou a ministra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Documento do PMDB revela total desconhecimento sobre pobreza no Brasil, diz ministra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV