Vazamento atlântico

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • Papa Bergoglio: “A propriedade privada não é intocável, a justiça social é necessária”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Mai 2016

O vazamento de 248 documentos sigilosos de negociação da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês) entre Estados Unidos e União Europeia pode arruinar a mais ambiciosa meta comercial e diplomática de final de mandato do presidente americano, Barack Obama. Dos dois lados do Atlântico, as tratativas vinham sendo criticadas por falta de transparência, mas as preocupações ambientais e sanitárias sempre foram mais intensas por parte dos europeus. Segundo o Greenpeace, que divulgou ontem os documentos em seu site, os textos indicam que o TTIP pode se converter no pior tratado global de livre comércio. “Este tratado ameaça ter implicações a longo prazo para o meio ambiente e a saúde dos 800 milhões de cidadãos da União Europeia (UE) e dos Estados Unidos”, ressaltou o Greenpeace ao apresentar os documentos em Berlim.

O comentário é de Luiz Antônio Araujo, publicado por Zero Hora, 03-05-2016.

Na imprensa europeia, a repercussão foi negativa. “Documentos vazados revelam pressão dos EUA por TTIP”, afirmou a Deutsche Welle em seu site. “EUA chantageiam UE para comprar alimentos americanos com ameaças sobre carros europeus”, disse o jornal português Diário de Notícias. “Os documentos confidenciais do TTIP obtidos pelo Greenpeace e consultados por Le Monde mostram a que ponto os americanos estão pouco inclinados ao compromisso”, lamentou o jornal francês. A Comissão Europeia criticou o que qualificou de “mal-entendidos” e disse que o bloco de 28 países “nunca rebaixará seu nível de ambição”, enquanto os EUA lamentaram interpretações “enganosas”.

Um dos pontos mais enfatizados pelos críticos foi uma cláusula do texto preliminar que permitiria a multinacionais apelar a arbitragem privada contra eventuais obstáculos de governos nacionais ao livre comércio.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vazamento atlântico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV