Descaso com saneamento deixa rios em alerta

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • A justiça social é mais importante para evitar doenças mentais do que medicamentos, afirma relator de saúde da ONU

    LER MAIS
  • A Igreja é contra a Reforma da Previdência

    LER MAIS
  • Foto de um pai e sua filha afogados na fronteira mexicana ilustra drama migratório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Abril 2016

"Esta realidade evidencia a urgente necessidade de uma ação forte e integrada dos Governo do Estado, em conjunto com os municípios e organizações civis da bacia hidrográfica, sobretudo se São Paulo realmente estiver comprometido com a meta de universalizar o saneamento básico", escrevem Mario Mantovani e Malu Ribeiro, respectivamente, diretor de Políticas Públicas e coordenadora da Rede das Águas da Fundação SOS Mata Atlântica, ONG brasileira que desenvolve projetos e campanhas em defesa das Florestas, do Mar e da qualidade de vida nas Cidades, em artigo publicado por Envolverde, 26-04-2016.

Eis o artigo. 

Dados do monitoramento da qualidade da água em 183 rios, córregos e lagos de 11 Estados brasileiros e do Distrito Federal revelaram que 36,3% dos pontos de coleta analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. 

A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e caixas da água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios ganharam placas que alertam sobre a utilização de “água de reuso”. As pessoas mudaram comportamento, economizaram e cobraram soluções. As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos aspectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam espaço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses corpos d’água recebem diariamente.

É como se não precisássemos de cada gota de água desses rios urbanos e que a água limpa que consumimos em nossas casas, como em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir centenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades. Para completar, todo esse descaso decorrente da falta de saneamento se reverte em contaminação e em graves doenças de veiculação hídrica.

Dados do monitoramento da qualidade da água que realizamos em 183 rios, córregos e lagos de 11 Estados brasileiros e do Distrito Federal revelaram que 36,3% dos pontos de coleta analisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas 13 pontos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e outros 59,2% estão em situação regular, o que significa um estado de alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo. Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22/3), com base nas análises realizadas entre março de 2015 e fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta, distribuídos em 76 municípios.

No Estado de São Paulo, de um total de 212 pontos de coleta analisados em 124 rios, 41,5% estão sem condições de usos múltiplos – abastecimento humano, lazer, pesca, produção de alimentos e manutenção ecossistêmica, entre outros – por apresentarem qualidade de água ruim ou péssima. Apenas 6,1% tem qualidade de água boa e 52,4% tem índices regulares.

A cidade de São Paulo perdeu dois pontos que, até 2015, apresentavam qualidade de água boa, localizados em áreas de manancial no Parque dos Búfalos (Represa Billings) e em Parelheiros (Represas Billings/Guarapiranga) e, infelizmente, a queda nos indicadores está relacionada à pressão por novas ocupações e mudanças nos usos do solo nas áreas de mananciais.

Esta realidade evidencia a urgente necessidade de uma ação forte e integrada dos Governo do Estado, em conjunto com os municípios e organizações civis da bacia hidrográfica, sobretudo se São Paulo realmente estiver comprometido com a meta de universalizar o saneamento básico até 2020, como anunciado.

Porém, para que essa meta não se perca como ocorreu com o Plano Nacional de Saneamento Básico, que postergou para 2033 a tão almejada universalização do saneamento no país, outra iniciativa essencial é que o Governo de São Paulo indique, por meio de decreto ou resolução, a exemplo do que fez o Governo do Estado do Paraná no ano passado, que os Comitês de Bacias Hidrográficas não enquadrem rios em classe 4.

Ao recomendar o reenquadramento dos corpos d’água em classes 1, 2 e 3, extinguindo a classe 4, o Governo de São Paulo estará consolidando as ações de saneamento em políticas públicas voltadas a ampliar os usos múltiplos da água e a capacidade de resiliência dos municípios paulistas, com metas efetivas de planejamento estratégico voltadas a não permitir mais rios “mortos” no Estado. A classificação do corpo d´água não pode espelhar a condição ambiental e de qualidade em que o rio está e sim o rio que almejamos no futuro. Queremos o Tietê e os rios paulistas vivos.

Por isto, a SOS Mata Atlântica abriu recentemente, com o apoio de diversos parceiros, a campanha “Saneamento Já!”. Todos podem participar assinando a petição pela internet, divulgando em suas redes sociais ou organizando ainda ações presenciais para coleta de assinaturas. Vamos valorizar cada gota de água limpa, diariamente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Descaso com saneamento deixa rios em alerta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV