Crise sem vencedores: PT, Temer e oposição em baixa nas pesquisas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Abril 2016

O alívio com o iminente afastamento temporário da presidenta Dilma está longe de trazer alento a seu vice, o peemedebista Michel Temer, que pode assumir o Palácio do Planalto caso o Senado confirme a destituição por 180 dias no próximo mês. Segundo pesquisa do instituto Ibope, divulgada neste final de semana, apenas 8% dos entrevistados se sentem representados com Temer no lugar da atual presidenta. Não por acaso 62% afirmam que preferiam ter novas eleições neste momento de transição. A insegurança com o que está por vir depois do processo, e a campanha petista para mostrar que o impeachment é "um golpe" parece confundir e desanimar os entrevistados do Ibope com o futuro Governo Temer.

A reportagem é de Carla Jiménez, publicada por El País, 25-04-2016. 

O vice é vítima, em todo caso, de um rechaço geral dos eleitores com os políticos. O emaranhado de denúncias da Lava Jato e a guerra política que se estabeleceu no Brasil nos dois últimos anos acabou nauseando os eleitores. E esse mal-estar que a priori parecia concentrado apenas no PT – o mais atingido pela investigação da Petrobras, que ajudou na crise que pode abreviar em dois anos o seu quarto mandato – se estendeu às lideranças de todos os partidos. Se a rejeição a Dilma supera os 70% atualmente, o repúdio do eleitor com o senador tucano Aécio Neves, por exemplo, que perdeu a eleição para a presidenta em 2014, é de 53%. Em fevereiro, essa taxa era de 44%.

Outro tucano apontado como presidenciável, Geraldo Alckmin, ostenta a mesma faixa de rejeição: passou de 30% em fevereiro para 53% neste mês. Seu colega José Serra alcança 54% (saiu de 52%). Até Marina Silva, presidente da Rede, viu sua rejeição avançar de 42% para 46%. O campeão de rejeição, no entanto, é o ex-presidente Lula, com 65% (era 61% em fevereiro).

A leitura sobre Lula, entretanto, é intrigante. Quando os entrevistados do Ibope eram questionados em quem votariam “com certeza”, o ex-presidente ganha de todos os outros nomes: 19% votariam seguramente nele. No caso de Marina Silva, 12% afirmam que votariam com certeza na ex-ministra do Meio Ambiente. Para Aécio Neves, essa taxa fica em 11%, com Serra, 7%, e com Alckmin, 6%. O polêmico Jair Bolsonaro, que dedicou seu voto de impeachment ao torturador Brilhante Ustra, também foi mencionado na pesquisa. A rejeição a seu nome é de 34%, uma taxa menor do que outros pelo fato de ele ser o menos conhecido nacionalmente: 54% dos entrevistados não o conheciam. Entre os que conhecem, 5% votariam com certeza em Bolsonaro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crise sem vencedores: PT, Temer e oposição em baixa nas pesquisas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV