A arca dos vencedores

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Abril 2016

“A fala propositadamente radical do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), ao enaltecer famoso torturador, dialoga com o conservadorismo difuso em setores da sociedade. Com 8% das intenções de voto para presidente da República na última pesquisa Datafolha (8/4), o ex-militar carioca encontra-se em quarto lugar na preferência do eleitorado e nada menos que 20% dos entrevistados com renda acima de 10 salários mínimos familiares mensais declararam adesão a ele”, constata André Singer, cientista político, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 23-04-2016.

Segundo ele, “cresceu a inclinação de setores médios pelo fascismo. No sentido contrário, opções tradicionais de direita e centro-direita parecem murchar. Considerado o eleitorado em geral, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) aparece na mesma pesquisa com irrelevantes 1%”.

Eis o artigo.

A votação de domingo passado uniu extenso e variado bloco com o propósito de expulsar o lulismo do poder e, talvez até, do próprio jogo político, se possível por bom tempo. Para chegar aos 367 deputados que derrotaram o projeto de reformas graduais lulistas, foi necessário juntar da extrema-direita ao centro, passando por toda a gama ideológica intermediária. Resta saber se a fauna amalgamada contra Dilma Rousseff continuará sob o mesmo teto em caso de o Senado repetir a decisão da Câmara.

Aos que acham a pergunta irrelevante em face do caráter despolitizado de muitos sufrágios, convém não se deixar levar pelas aparências. É verdade que a maioria dos parlamentares responde a interesses fisiológicos, mas isso não significa ausência de posição. As frequentes menções a Deus, pátria e família durante a decisiva sessão dominical expressam certa visão de mundo, própria e da base que cerca o declarante.

A fala propositadamente radical do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), ao enaltecer famoso torturador, dialoga com o conservadorismo difuso em setores da sociedade. Com 8% das intenções de voto para presidente da República na última pesquisa Datafolha (8/4), o ex-militar carioca encontra-se em quarto lugar na preferência do eleitorado e nada menos que 20% dos entrevistados com renda acima de 10 salários mínimos familiares mensais declararam adesão a ele.

Aliás, para que se tenha ideia, na mesma faixa, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) obteve singelos 13% e a ex-senadora Marina Silva, 12%. Em outras palavras, cresceu a inclinação de setores médios pelo fascismo.

No sentido contrário, opções tradicionais de direita e centro-direita parecem murchar. Considerado o eleitorado em geral, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) aparece na mesma pesquisa com irrelevantes 1%. Os tucanos, por sua vez, declinaram nesta última e decisiva fase da trama a favor do impedimento. O neto de Tancredo, hoje com 17%, perdeu 10 pontos percentuais entre o levantamento de dezembro e o atual.

Pesa contra os pessedebistas o mesmo fantasma que assombra os líderes do golpe constitucional, Eduardo Cunha e Michel Temer. Sobre uns e outros pairam inúmeras denúncias surgidas no bojo da Operação Lava Jato. Temer, o futuro presidente em caso de vitória golpista, conta com apenas 2% das intenções de voto, tecnicamente empatado com Caiado no fim da fila.

A espécie eleitoralmente forte dentre as que subiram à arca do impedimento é a da líder da Rede, Marina, neste momento sem mandato, et pour cause. Partindo de 19% das intenções de voto, constitui opção de centro sem envolvimento com maracutaias. Aceitará navegar em companhia de Bolsonaro, Caiado, Neves, Cunha e Temer?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A arca dos vencedores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV