Não perder a identidade

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Abril 2016

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho segundo João 13, 31-33a.34-35 que corresponde ao Quinto Domingo de Páscoa, ciclo C do Ano Litúrgico.

O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

Eis o texto.

http://www.periodistadigital.com/religion/

Jesus se despede de seus discípulos. Em pouco tempo, já não estará mais com eles. Jesus fala-lhes com uma ternura especial: “Filhinhos: vou ficar com vocês só mais um pouco”. A comunidade é pequena e frágil. Acaba de nascer. Os discípulos são como crianças pequenas. Qué acontecerá com eles si ficam sem o Mestre?

Jesus lhes dá um presente: “Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos outros”. Se eles se amam entre eles com o amor que Jesus os amou, Jesus continuará presente no meio deles. O amor que receberam de Jesus continuará difundindo-se entre os seus.

Por isso Jesus acrescenta: “Se tiveram amor uns para com outros, todos reconhecerão que vocês são meus discípulos”. O que permitirá descobrir que uma comunidade que se diz cristã é realmente de Jesus, não será a confissão de uma doutrina, nem a observância de uns ritos, nem o cumprimento de uma disciplina, mas o amor vivido com o espirito de Jesus. Nesse amor está sua identidade

Vivemos numa sociedade onde foi se impondo a “cultura dos intercâmbios”. As pessoas intercambiam objetos, serviços e prestações. Com frequência, intercambiam também sentimentos, corpos e até amizade. “Eric Fromm chegou a dizer que o amor é um fenômeno marginal na sociedade contemporânea”. As pessoas capazes de amar são uma exceção.

Provavelmente seja uma análise excessivamente pessimista, mas o certo é que para viver hoje o amor cristão é necessário resistir-se a atmosfera que envolve a sociedade atual. Não é possível viver um amor inspirado por Jesus sem tomar distância do estilo de relações e intercâmbios interessados que predominam com frequência entre nós.

Se a Igreja está se diluindo no meio da sociedade contemporânea não é só pela profunda crise das instituições religiosas. No caso do cristianismo é, também, porque muitas vezes não é fácil ver nas nossas comunidades discípulos e discípulas de Jesus que se distingam pela sua capacidade de amar como Ele amava. Falta-nos o distintivo cristão.

Os cristãos, temos falado muito sobre o amor. No entanto, não sempre acertamos ou atrevemo-nos a dar lhe o verdadeiro conteúdo a partir do espirito e das atitudes concretas de Jesus. Falta-nos aprender que ele viveu o amor como um comportamento ativo e criador que o levava a uma atitude de serviço e de luta contra todo aquilo que desumaniza e faz sofrer o ser humano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não perder a identidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV