'Espetáculo de domingo ampliou a negação do sistema político', diz Chico Alencar

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Pro Pope Francis: carta aberta de apoio ao Papa Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco: "Ante a escandalosa corrupção e os enormes problemas sociais, o Brasil precisa que seus padres sejam sinal de esperança"

    LER MAIS
  • A desmentida (sem precedentes) do papa ao líder dos conservadores

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

20 Abril 2016

A derrota das forças democráticas na votação da admissibilidade do impeachment pela Câmara dos Deputados, apesar da gravidade do golpe desfechado contra a democracia, pode ter uma espécie de “efeito bumerangue”, tanto no curto e médio como no longo prazo. “O velho (Karl) Marx escreveu para um amigo em 1848: ‘essa situação desesperadora me enche de esperanças’. Depois de um tempo, houve uma revolução popular em Paris (1848), e após 20 anos, se formou a Comuna de Paris (1871)”, diz o deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ), cuja bancada de seis deputados votou inteiramente contra o impeachment, assim como as do PT e PCdoB.

“Por incrível que pareça, acho que o espetáculo medíocre da sessão de domingo ampliou a negação do sistema político dominante que está dando vitória ao PMDB. Ou seja, na minha opinião, a massa crítica da população vai crescer e a perspectiva é povo organizado, rua e politização, para a gente encontrar caminhos no futuro. A esquerda, no momento, tem que se repensar, por mais que a gente viva uma derrota”, diz o parlamentar.

A reportagem é de Eduardo Maretti, publicada por Rede Brasil AtualRBA, 19-04-2016.

Para ele, a situação do processo do impeachment chegou a um ponto muito difícil, para o governo e para todos os setores progressistas da sociedade, defensores da democracia, independentemente de serem apoiadores ou não de Dilma Rousseff. “Temos que resistir, que denunciar o novo pacto das elites, a traição descarada e os seus protagonistas principais, Eduardo Cunha, Michel Temer e Romero Jucá”, defende Alencar.

A situação do processo de impeachment no Senado será objeto da mesma ofensiva à qual o país assistiu em relação à Câmara, que chegou ao auge no domingo, 17 de abril. “É muito difícil reverter, porque haverá muita pressão em termos de poder efetivo, das federações industriais, do agronegócio, das federações comerciais, da grande mídia, que não é só a Globo, dos parlamentares conservadores”, prevê o deputado.

Ele lembra também a parcialidade de setores do Judiciário, com destaque para o que está sediado em Curitiba. “Há ainda o Judiciário parcial, principalmente a primeira instância e Sérgio Moro, e acho que nos cabe cobrar que a Lava Jato cumpra seu papel mais amplo, não seja seletiva. Temos que continuar lutando por uma reforma política radical, mas isso leva tempo. ‘Não se afobe, não, que nada é pra já’”, diz Alencar, citando a canção “Futuros Amantes’, de Chico Buarque.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - 'Espetáculo de domingo ampliou a negação do sistema político', diz Chico Alencar