Evo pediu ao Papa a canonização de Luis Espinal

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Bergoglio, ao Santo Sínodo Ortodoxo: “Façamos do Chipre uma ponte entre o céu e a terra”

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 18 Abril 2016

O presidente da Bolívia, Evo Morales reiterou na sexta-feira 15 de abril, ao Papa Francisco o pedido da canonização do Pe. Luis Espinal, torturado e assassinado pelas forças da ditadura em 1980.

A reportagem é publicada por Prensa Latina, 15-04-2016. A tradução é de André Langer.

Em um contato com a imprensa na Cidade do Vaticano, o presidente do país andino-amazônico destacou que em seu encontro com Sua Santidade retomou o tema da beatificação do sacerdote.

Luis Espinal, jesuíta de origem espanhola, é recordado na Bolívia por seu compromisso com os desfavorecidos e sua atitude crítica em relação à aliança da Igreja católica com os setores conservadores no poder.

Morales explicou que o Sumo Pontífice lhe recomendou seguir os procedimentos estabelecidos para a canonização de figuras destacadas. Ou seja, que os jesuítas, a cuja ordem pertencia Espinal, devem apresentar a biografia e a história do padre, entre outros requisitos, pontuou.

Recentemente, bolivianos apegados aos ideais de justiça e ao senso da dignidade dos povos recordaram em La Paz a Espinal (1932-1980), que considerou que a vida é para ser gasta pelo próximo.

Em uma vigília organizada pela Associação de Familiares de Detidos e Desaparecidos e Mártires pela Libertação Nacional, pessoas de diferentes gerações se encontraram na sede da entidade, onde ficou clara a vigência do pensamento progressista de Lucho, como também foi conhecido.

O público coincidiu em que Espinal foi um homem profundamente místico, autêntico, coerente, revolucionário, consequente, audaz, sensível e uma referência de espiritualidade.

O padre foi vítima do terrorismo de Estado, uma política aplicada por ditadores em vários países da América Latina, que aprenderam na Escola das Américas sob a supervisão dos Estados Unidos.

O também poeta e cineasta era da opinião de que os meios de comunicação deviam servir ao povo e, embora tenha sofrido a incompreensão da hierarquia eclesiástica, converteu-se na voz dos que calam, e, por isso, os lacaios de uma ditadura planejaram sua morte, antecedida por cruéis torturas.

Espinal foi assassinado no dia 21 de março de 1980.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Evo pediu ao Papa a canonização de Luis Espinal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV