O convite do Vaticano a Bernie Sanders: favoritismo político?

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Abril 2016

Quando vi a notícia de que o Vaticano estaria convidando Bernie Sanders para uma visita, logo pensei: “Como? Isso é verdade? Logo agora? No meio de eleições primárias acirradas? É isso mesmo?” Depois descobri que era a Pontifícia Academia de Ciências Sociais quem havia emitido o convite, e não o Papa Francisco pessoalmente. Mas mesmo isso já dá a Bernie motivos para se vangloriar em uma eleição disputada. E embora nada tenha se confirmado, é difícil ver Bernie visitando o Vaticano sem ter uma conversa com o próprio Papa Francisco: “Luzes! Câmeras! Ação... e propaganda política!”

O comentário é de Maureen Fiedler, publicado por National Catholic Reporter, 12-04-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Havemos de concordar: o Papa Francisco e Bernie Sanders têm muito em comum quanto à visão de mundo, e não só a respeito dos pobres. Ambos os líderes defendem uma restruturação econômica que afaste o poder econômico dos poderosos indo em direção aos que se encontram na base da estrutura social. Nesse nível, tenho certeza de que teriam um diálogo proveitoso, comparando observações econômicas e provavelmente relatando os muitos ensinamentos sobre a justiça social que o judaísmo e o cristianismo têm em comum. (Sanders é, evidentemente, judeu, embora, segundo ele próprio, seja um judeu laico.)

Mas, apesar de tudo isso, eu preciso perguntar: Por que agora? Certo estou de que o Vaticano sabe que estamos em meio a uma campanha primária presidencial contenciosa nos EUA e, francamente, o convite a Bernie sugere um favoritismo político que não cai bem.

Além disso, Hillary Clinton não fica muito longe no tocante às ideias econômicas a que o Papa Francisco frequentemente faz referências. Realmente, ela não se encontra tão à esquerda nesses assuntos quanto Bernie Sanders, porém ela considera-se uma “metodista da justiça social” e há tempos vem manifestando uma preocupação pelos marginalizados economicamente, em especial junto às mulheres e crianças. E ela compreende tudo isso a partir de uma perspectiva bíblica. Em suma, Hillary compartilha grande parte das análises de Francisco e Bernie sobre a pobreza estrutural geral, mesmo se as suas soluções difiram levemente das de Bernie.

No momento, vivemos a época das eleições primárias e, segundo mostram os números, a corrida do Partido Democrata está muito mais acirrada do que a maioria dos analistas poderia imaginar.

No entanto, a decisão final aqui cabe aos eleitores democratas, não ao Vaticano. Quaisquer que sejam as intenções da Pontifícia Academia de Ciências Sociais – e este poderia simplesmente ser uma conversa sobre questões econômicas –, o convite será visto como um “convite do Vaticano”, talvez mesmo um convite do Papa Francisco, ao candidato Bernie Sanders, e não um convite à candidata Hillary Clinton. Em uma palavra: esta iniciativa levanta dúvidas sobre um favoritismo político.

E é aqui onde a Pontifícia Academia de Ciências Sociais deveria ter consultado os bispos americanos, pessoas que conhecem o nosso cenário político. E os bispos americanos (caso soubessem que o convite estaria a ser feito) deveriam ter aconselhado o Vaticano a não fazê-lo.

Seja qual for o caso, não é sensato que o Vaticano adentre no meio desta corrida, mesmo se tudo o que eles querem é ter uma conversa sobre economia com Bernie Sanders. Isso pode esperar. O Vaticano deveria adiar um tal diálogo com Sanders.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O convite do Vaticano a Bernie Sanders: favoritismo político? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV