Cadê a lista da Andrade Gutierrez?

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

    LER MAIS
  • Enquanto Amazônia arde, governistas e ruralistas aprovam mais incentivos à devastação no Senado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Abril 2016

A chamada “lista da Odebrecht” sumiu do noticiário depois de ter apavorado o mundo político e forçado a disposição das cúpulas partidárias para cortar logo a cabeça de Dilma Rousseff e liquidar com a espadada da Lava Jato. Foi na esteira de sua divulgação que o PMDB resolveu desembarcar do governo e engrossar o cordão do impeachment. Agora, se Lava Jato quiser dar alguma prova de que não se tornou uma ação partidária, deve entregar à opinião pública uma “lista da Andrade Gutierrez”. E não só a de doações legais, que foram aaté mais generosas para o PSDB, mas também aquela que beneficia todos ou quase todos os partidos, com caixa 1 ou caixa 2.

O comentário é de Tereza Cruvinel, jornalista, publicado por Brasil 247 e reproduzido por Jornal GGN, 07-04-2016.

O capital não tem partido mas diz uma lenda que a Odebrecht é mais petista e a Andrade Gutierrez (AG) mais tucana.  Seja como for, salta aos olhos das crianças a ausência de referências ao PSDB na delação dos executivos da AG, sendo tão sobejamente conhecidos os negócios que a empreiteira já teve com governos tucanos, especialmente em Minas.  Também salta aos olhos das crianças que o vazamento da confissão de que doações legais da AG à campanha da presidente Dilma vieram de propinas têm o objetivo de interferir no andamento do processo de impeachment na Câmara, no momento em que o governo começa a recuperar terreno com a montagem de uma nova coalizão.

O ministro Teori Zavascki não teve escolha ao homologar os termos da delação da Andrade. Quem “selecionou” o que seria delatado foram os procuradores e os delegados.  Em busca da redução de pena, o delator fala o que o torturador, quero dizer, interrogador, quer ouvir.  E a chamada força-tarefa já deixou claro que tem um lado nesta guerra.

O efeito de mais este vazamento seletivo, contra o qual Dilma protestou novamente hoje no encontro com mulheres e movimentos feministas, teve um claro efeito político sobre os que votarão no impeachment. Dirão os indecisos: de que adiantará salvar o mandato de Dilma agora se o TSE, sob a presidência de Gilmar Mendes, pode cassar a chapa Dilma-Temer lá na frente? O fim da crise vai ser apenas adiado.

Mas o jogo segue e ninguém vai entregar os pontos por antecipação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cadê a lista da Andrade Gutierrez? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV