Mais de 5.000 afetados e 243 feridos por vazamentos de petróleo no Peru

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Março 2016

Os vazamentos de petróleo em janeiro e fevereiro de dutos da estatal PetroPerú afetaram cerca de 5.765 pessoas e feriram 243 em comunidades indígenas, entre elas crianças que tiveram contato direto com o petróleo, informou o governo.

A reportagem foi publicada por amazonia.org.br, 02-03-2016.

Segundo o Instituto Nacional de Defesa Civil (Indeci), no distrito de Imaza (23.000 habitantes) na região do Amazonas – onde ocorreu o primeiro vazamento em 25 de janeiro – foram registradas 3.222 pessoas afetadas em suas terras de cultivos, a água dos rios que consomem e sua alimentação.

A isso, somam-se 243 pessoas, entre elas 10 crianças, que tiveram contato direto com o petróleo derramado. São pessoas que tiveram intoxicação, diarreias e erupções na pele , explicou nesta terça-feira um porta-voz do Indeci à AFP.

Segundo a imprensa local, dezenas de crianças de comunidades indígenas foram contratadas pela estatal PetroPerú para recolher o óleo, informação negada pela empresa.

No distrito de Morona (9.000 habitantes), na região de Loreto, local do segundo vazamento, em 3 de fevereiro, foram registrados 2.543 afetados, segundo o comunicado do Indeci.

No domingo, o governo peruano declarou estado de emergência em 16 comunidades indígenas na Amazônia afetados pelo vazamento de hidrocarbonetos do oleoduto operado pela PetroPerú.

A PetroPerú noticiou nesta terça-feira que contratou a empresa finlandesa Larsen Oil Recovery Marine (Lamor) para acelerar a recuperação ambiental e a limpeza nas áreas afetadas pelos vazamento de petróleo. O ministro do Meio Ambiente, Manuel Pulgar Vidal, disse que o trabalho vai demorar um ano.

A Associação Interétnica de Desenvolvimento da Selva Peruana (Aidesep) pediu na segunda-feira que a PetroPerú pare imediatamente o bombeamento de petróleo para o oleoduto para fazer reparos e realizar testes toxicológicos e de emergência de cuidados de saúde à população afetada, especialmente crianças e as pessoas que fizeram a limpeza do petróleo derramado.

A PetroPerú foi sancionada por causa desses vazamentos em 3,6 milhões de dólares por descumprir o programa de manutenção do chamando Oleoduto Norperuano, que transporta petróleo para a região costeira de Piura.

Segundo a Aidesep, de 2010 até hoje ocorreram 11 vazamentos de petróleo na Amazônia peruana.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 5.000 afetados e 243 feridos por vazamentos de petróleo no Peru - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV