Subcomandante Marcos fica livre de acusações no México depois de 20 anos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais angelicalidade: a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Fevereiro 2016

Acusado em 1995, líder do EZLN enfrentava uma pena de no máximo 40 anos, cujo processo prescreveu; outros 12 zapatistas também foram liberados de acusações

O líder do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), o subcomandante Marcos, foi liberado de todas as acusações que corriam contra ele pela Justiça do México, nesta terça-feira (23/02), quase 21 anos depois de ter sido indiciado.

A reportagem foi publicada por Opera Mundi, 24-02-2016.

O juíz do Estado de Chiapas Marcos Dávila Rangel também determinou a suspensão dos processos penais de outros 12 zapatistas. Rangel entendeu que os crimes pelos quais eles estavam sendo acusados, como motim, terrorismo e porte ilegal de armas, já haviam prescrito.

A legislação mexicana rege que um crime é prescrito quando um determinado período de tempo transcorre num processo sem que haja nenhuma ação por parte do Ministério Público, o que impede o Estado de punir. O prazo da prescrição no país é medido pela média aritmética entre os tempos de prisão máximo e mínimo.

Desta maneira, o subcomandante, que enfrentaria uma pena máxima de 40 anos por terrorismo, já não pode mais ser preso.

Exército Zapatista da Libertação Nacional

O grupo guerrilheiro, cujo nome é inspirado na luta de Emiliano Zapata, surgiu em 1994 para realizar uma rebelião no estado de Chiapas, próximo à Guatemala, no mesmo ano. O objetivo era lutar contra a marginalização das comunidades indígenas da região, cujos direitos humanos e políticos eram ignorados pelo governo mexicano.

O EZLN chegou a tomar algumas comunidades e cerca de 300 pessoas morreram nos combates, que duraram poucos dias. Um acordo de paz foi assinado somente em 1996, com o então presidente Carlos Salinas.

A identidade do subcomandante Marcos, mais conhecido como “El Sub” (O sub) foi revelada em 1995 pelo governo do presidente Ernesto Zedillo. O líder dos zapatistas era Rafael Sebastián Guillén Vicente, um professor universitário. Mesmo assim, os processos penais contra ele nunca incluíram nos textos seu nome verdadeiro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Subcomandante Marcos fica livre de acusações no México depois de 20 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV