Indígenas não se beneficiaram do crescimento econômico da América Latina, diz Banco Mundial

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • “Vacinas para todos!” Declaração da Pontifícia Academia para a Vida sobre as vacinas contra a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Fevereiro 2016

Em um relatório divulgado nesta segunda-feira (15/02) na Cidade do Panamá, o Banco Mundial indicou que os povos indígenas da América Latina não usufruíram do crescimento econômico do continente da mesma maneira que os demais latino-americanos nos últimos 15 anos.

A reportagem foi publicada por Opera Mundi, 15-02-2016. 

“A América Latina experimentou uma profunda transformação social que diminuiu a pobreza e aumentou a classe média, mas os povos indígenas se beneficiaram menos do que o resto dos latino-americanos”, declarou o vice-presidente do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe, Jorge Familiar, no ato de apresentação do relatório.

Intitulado “América Latina Indígena no Século XXI”, o documento afirma que os indígenas “reduziram seus níveis de pobreza” e “melhoraram seu acesso a serviços básicos”, mas ficaram à margem dos outros habitantes do continente.

“Se os povos indígenas assumirem seu papel como atores-chave na agenda pós-2015, suas vozes e ideias serão levadas em consideração”, disse Ede Ijjasz-Vásquez, diretor-sênior do Banco Mundial, acrescentando que “a inclusão não é somente moralmente correta mas é economicamente adequada para as nações”.

O estudo aponta que, por conta de políticas sociais aliadas ao crescimento econômico, 70 milhões de pessoas saíram da pobreza na América Latina nos últimos 15 anos.

Segundo os censos demográficos mais recentes, utilizados pelo Banco Mundial, 8% dos habitantes do continente são indígenas, o que representa 42 milhões de pessoas. Quatro países – México, Peru, Bolívia e Guatemala – concentram 80% da população indígena, ou 34 milhões. O relatório pontua ainda que, ao contrário do senso comum, aproximadamente a metade dos indígenas vive em zonas urbanas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Indígenas não se beneficiaram do crescimento econômico da América Latina, diz Banco Mundial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV