Kirill e Francisco em Cuba: porque o futuro passa por lá

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Fevereiro 2016

Kirill e Francisco nessa sexta-feira em Cuba: os líderes de duas Igrejas mundiais, as duas maiores, que se encontram fora da Europa para superar as discórdias que, no Velho Continente, fizeram-nas inimigas ao longo dos séculos.

A reportagem é de Luigi Accattoli, publicada no jornal Corriere della Sera, 12-02-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A escolha de Cuba para esse evento inédito na história tem mais razões que devem ser lidas juntas para entender a sua projeção. Há uma primeira razão de imagem: a mesma que, em 1964, levou Atenágoras e Paulo VI a se encontrarem em Jerusalém.

Era o primeiro abraço entre um papa e o patriarca de Constantinopla, e a ubíqua hipersensibilidade do mundo eclesiástico impedia que um fosse à casa do outro. Depois, Atenágoras foi a Roma, e Paulo VI foi a Istambul, mas, para o primeiro encontro, foi necessário um campo neutro.

Avaliadas ao longo dos anos várias propostas – Chipre, Genebra, Viena –, as duas diplomacias chegaram a Cuba por uma razão ocasional e uma substancial. A ocasional está na coincidência temporal das viagens dos dois "patriarcas" planejadas há muito tempo: Kirill em visita às comunidades latino-americanas da Ortodoxia russa, e Francisco em visita ao México.

A razão substancial está escondida atrás da ocasional e foi esclarecida pelo Metropolita Hilarion, negociador de Kirill: era desejo dos russos que o encontro não se realizasse na Europa, isto é, no continente da divisão das Igrejas, já que o compromisso deveria visar à superação da ruptura.

Resta dizer que a Ortodoxia russa é uma Igreja mundial, presente – por causa da emigração russa anterior e subsequente ao comunismo – na América do Norte e do Sul, na Europa ocidental, na Ásia central e na Sibéria, no Japão, na Austrália e na Nova Zelândia.

Kirill, que representa tal deslocação planetária, e o papa que veio da Argentina não encontraram dificuldades para escolher Cuba como local a partir de onde é possível olhar para o futuro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Kirill e Francisco em Cuba: porque o futuro passa por lá - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV