Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

“Há um efeito Francisco nos cidadãos, mas ainda não na Igreja”. O bispo mexicano mais ameaçado acompanhará o Papa na visita ao México

Ele é o rebelde. O bispo mais ameaçado do México. O prelado que nos anos noventa virou as costas aos ditados do Vaticano e se somou em Chiapas ao clero indigenista; o mesmo que agora defende os homossexuais e que enfrenta em rosto descoberto o cartel dos Zetas.

A voz de Raúl Vera (Acámbaro, Guanajuato, 1945) irrita a muitos, mas não deixa de ser escutada com atenção em Roma. A ascensão de Francisco e sua busca das periferias existenciais encontrou, no bispo de Saltillo (Coahulla), um de seus grandes porta-vozes em terras norte-americanas. No próximo dia 12 de fevereiro o Papa iniciará sua primeira visita ao México. Vera o acompanhará em todas as paradas.

A entrevista é de Jan Martínez Ahrens, publicada por El País, 09-02-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

Eis a entrevista.

41 sacerdotes foram assassinados na última década. E você mesmo vive sob ameaça de morte. É tão perigoso ser religioso no México?

A sombra da morte cresce a cada dia, mas para todos, sejam presbíteros ou taxistas. E isso obedece à impunidade que há no México.

Durante muito tempo, você foi um marginalizado no episcopado. E agora?

Veja, sou uma pessoa que fala da mesma forma dentro das catedrais como fora. Mas nunca me senti separado dos meus irmãos bispos. O que vi, sim, é uma reação mais próxima e aberta quando se fala de violência.

Ciudad Juárez, Chiapas, Michoacán, Ecatepec… A viagem do Papa é um percurso pelos problemas do México?

Os lugares são emblemáticos, começando pela Basílica de Guadalupe, o primeiro que quis visitar. Francisco vem muito preocupado com a migração, com a necessidade de irmanar-se frente a um modelo econômico que impõe a morte e trata os seres humanos como mercadoria.

E que consequências terá a visita?

Será uma chamada de atenção para ser mais responsável. México é um dos países mais destruídos do planeta; aqui se aplicaram à força as leis mercantilistas, as grandes empresas se apossaram da nação e amplas regiões estão submetidas à violência. Não esqueçamos Ayotzinapa. Foi um horror. Levaram os normalistas à vista de todos. E agora o Exército não se deixa interrogar sore o que se passou.

E para um episcopado tão ortodoxo como o mexicano, o que significará a presença do Papa?

Francisco fala de misericórdia e de vergonha. Escutar aqui sua forte palavra nos levará a cerrar fileiras em torno ao sofrimento, a escutar e atender a voz das vítimas. O sofrimento precisa rebelar-se. Por isso o Papa vai onde a população, como a indígena, vive uma situação difícil, onde não são reconhecidos como cidadãos completos, onde não recebem trabalho, senão caridade... A nós, os bispos, deve fazer-nos pensar o que escolheu o Papa: a migração, a violência...

E o que faz falta na viagem?

Faltam-lhe dias. João Paulo II chegou a estar sete dias.

Francisco encontrará um país com o catolicismo em retrocesso.

Estamos reagindo, mas faltam projetos pastorais. O Papa pede que nos integremos mais. A Igreja ainda não sai às periferias existenciais, atende mais as questões de culto que de transformação da sociedade. Necessita mais contato. A emergência da sociedade civil não vem da Igreja.

Mas não há um efeito Francisco?

Vejo-o nos cidadãos, mas ainda não na Igreja. Somos nós, os bispos e sacerdotes os que temos que converter-nos à integridade do Evangelho. Falta-nos uma visão mais crítica.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium