Apanhei como vocês, diz Nobel da Paz para alunos que ocuparam escolas

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja precisa mudar a forma de escolher seus bispos

    LER MAIS
  • Após 11 anos, FMI ronda o Brasil a convite de Meirelles

    LER MAIS
  • Terceirização, uma solução de terceira para a economia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 28 Janeiro 2016

"Quando eu tinha 13 anos, fui preso pela polícia porque tentava ir contra [a entrada do idioma] o inglês no currículo escolar. Fui preso e apanhei como vocês. Mas se pudesse, faria tudo de novo. Os jovens têm que ocupar o mundo todo", disse o indiano Kailash Satyarthi, ganhador do Nobel da Paz 2014, para alguns estudantes que ocuparam escolas contra a reorganização escolar em São Paulo.

A reportagem é de Bruna Souza Cruz e Lucas Rodrigues e publicada pelo portal Uol, 26-01-2016. 

A prisão do ativista foi relembrada na manhã desta terça-feira (26) durante uma aula pública sobre direito à educação no Brasil e no mundo, organizada pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação. Em várias de suas falas, Satyarthi fez questão de parabenizar os jovens pelo protagonismo na luta pela educação.

"Quando eu ia para o ato, eu achava que não ia sofrer nenhum tipo repressão. A gente é menor de idade, né? Aí aconteceu tudo ao contrário. A gente apanhou muito. E foi uma coisa que me fez amadurecer bastante", afirmou Jéssica, estudante da escola estadual Fernão Dias, sobre sua experiência durante as manifestações e ocupação do colégio.

"A gente passou a ver a escola de outro jeito [depois das ocupações]. Antes muitos [alunos] brigavam com os pais para não irem para a escola. Durante a ocupação, a gente brigava com nossos pais para ir para a escola", comentou Ícaro, também estudante da Fernão Dias.

Após inúmeros protestos e cerca de 200 escolas ocupadas, o governo estadual anunciou o adiamento da reorganização escolar no início de dezembro. A medida previa o fechamento de 92 escolas e reorganizava as restantes por ciclo único. Desse modo, estudantes do ensino fundamental ficam em unidades diferentes do ensino médio.

Energia em potencial

Para o ativista, a mobilização dos estudantes em SP é uma amostra de todo poder que os jovens têm de lutar pelas causas em que acreditam.

"O mundo tem que conhecer, respeitar a energia dos jovens. Eles estão se levantando em todo o mundo. Mais de 100 milhões de jovens estão procurando algo para fazer na sociedade. Eles querem se provar", ressaltou Satyarthi. " [Por isso] Tiro o chapéu, vocês [alunos das ocupações] são maravilhosos, são nossos modelos, nossos heróis. O mundo todo precisa de pessoas como vocês", acrescentou.