Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Entre o 1% mais rico do planeta, exploração e trabalho escravo

"Elite da elite", entre as 62 pessoas que detêm fortuna maior do que o patrimônio de 99% da população mundial estão banqueiros e donos de empresas conhecidas por péssimas condições de trabalho.

A reportagem é de Felipe Rousselet e publicado por Rede Brasil Atual, 23-01-2016.

Um estudo da organização não governamental Oxfam, divulgado na segunda-feira 18, dois dias antes do início do Fórum Econômico Mundial de Davos, revelou que a riqueza acumulada por 1% da população mundial, os mais ricos, superou a dos 99% restantes em 2015. Somente as 62 pessoas mais ricas do mundo detêm tanto capital quanto a metade mais pobre da população mundial. Neste grupo, estão incluídos banqueiros, donos de empresas conhecidas pela exploração abusiva de mão de obra e empresários que fizeram fortuna com a exploração de recursos naturais finitos.

Os Koch e os Walton

Entre os 62 mais ricos, duas famílias têm especial destaque: os Koch e os Walton. A primeira é representada na lista pelos irmãos David (US$ 72,9 bilhões) e Charles (US$ 42,9 bilhões), respectivamente terceiro e sétimo colocados no ranking. Sócios, são conhecidos por financiarem institutos conservadores e organizações liberais em todo o mundo. Em março de 2015, a revista CartaCapital abordou uma possível conexão entre o Movimento Brasil Livre (MBL), que defende o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, e a organização Students for Liberty, financiada pelos Koch.

Entusiastas do “Estado mínimo”, os Koch possuem refinarias em vários estados dos EUA, seis mil quilômetros de oleodutos, madeireiras, indústrias de papel e celulose e a Invista, ex-divisão de fibras têxteis da DuPont, dona das marcas Lycra e Cordura. Proprietários de diversas empresas que exploram recursos naturais finitos, naturalmente os irmãos refutam qualquer estudo que indique a influência da humanidade no aquecimento global.

O patriarca, Fred Chase Koch, que faleceu em 1967, era um admirador de Benito Mussolini e foi um dos fundadores da organização ultradireitista John Birch Society, que combateu duramente a lei dos direitos civis nos EUA, instituída pelo presidente Lyndon Johnson nos anos 1960.

Já os Walton, família fundadora da maior rede de varejo do mundo, o Walmart, conta com quatro representantes entre os 62 mais ricos do mundo: Christy Walton (8º - US$ 41,7 bilhões), Jim Walton (9º - US$ 40,6 bilhões), Alice Walton (11º - US$ 39,4 bilhões) e Samuel Robson Walton (12º - US$ 39,1 bilhões).

Enquanto o clã Walton está no “topo do mundo”, os funcionários do WalMart não possuem sequer condições de trabalho dignas. Em outubro de 2013, a rede varejista foi condenada a pagar R$ 22,3 milhões em indenização por danos morais coletivos aos seus trabalhadores no Brasil, a maior penalidade do tipo imposta a uma empresa até então no país. Na denúncia, funcionários relataram humilhações, xingamentos constantes, preconceito racial e a imposição de cantar hinos motivacionais e dançar nas reuniões. A rede limitaria até mesmo as saídas ao banheiro.

Zara

A quinta posição da lista dos mais ricos do mundo pertence ao empresário espanhol Amancio Ortega, fundador e proprietário da Zara, empresa têxtil com lojas de varejo espalhadas por diversos países. A marca é conhecida por estabelecer relações comerciais com fornecedores que submetem funcionários a péssimas condições de trabalho. Em maio de 2014, durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito do Trabalho Escravo, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), representantes da Zara admitiram pela primeira vez que havia trabalho escravo em sua cadeia de produção de roupas e acessórios.

Safra e Leman

O Brasil, terceiro país onde os bancos mais lucram com juros no mundo, não por coincidência tem como um dos representantes na lista dos 62 mais ricos um banqueiro, Joseph Safra (52º - US$ 17,3 bilhões). O empresário libanês, naturalizado brasileiro, é cofundador do banco Safra. Desde o século XIX, a família Safra é constituída por banqueiros, todos judeus halabim, uma das mais tradicionais classes mercantis do Oriente Médio.

Na frente de Joseph, na 26ª posição na lista, aparece o compatriota Jorge Paulo Lemann, dono da maior cervejaria do mundo, a AB InBev. Com fama internacional de empresário ousado e hábil “cortador de custos”, Lemann também tem um passado no mercado financeiro brasileiro. Nos anos 1970, fundou o banco de investimentos Garantia, adquirido pelo Banco de Investimentos Credit Suisse (Brasil) em 1998.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Aplaudo de pé a iniciativa do presidente do Equador. Rafael Correa nos representa na luta contra os..." Em resposta a: O Equador apresenta ao Vaticano seu plano para acabar com os paraísos fiscais
"Nota-se um grande desenvolvimento conceitual de ensino por parte das instituições cristãs, sobret..." Em resposta a: Há 237 anos Catarina ordenava que os jesuítas ignorassem a Bula Papal de supressão
"Tese, antítese e síntese: não gosto das coisas. Gosto de gostar e de não gostar das coisas, logo..." Em resposta a: Lançada Frente Nacional contra o "Projeto Escola sem Partido"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium