"Sempre foi assim". Cristãos com esta desculpa "são rebeldes e idólatras, diz Francisco

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Um regime anômalo sem direção definida. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “Sem Cerrado, sem água, sem vida”: campanha nacional em defesa do Cerrado é lançada em Brasí

    LER MAIS
  • Macri admite oficialmente que um em cada três argentinos é pobre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

25 Janeiro 2016

Os cristãos que ficam com a desculpa do “sempre foi assim” têm o coração fechado para as surpresas do Espírito Santo. São idólatras e rebeldes que jamais chegarão à plenitude da verdade. Essa foi a mensagem do Papa Francisco na missa de segunda-feira (18 de jan.) na capela da Casa Santa Marta.

A reportagem foi publicada por Rádio Vaticano, 18-01-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Na Primeira Leitura, Saul é rejeitado por Deus como Rei de Israel porque desobedeceu, preferindo ouvir o povo em vez da vontade divina. O povo, depois de uma vitória na batalha, queria realizar um sacrifício com os melhores animais a Deus, porque, diz o povo, “sempre foi assim”. Mas Deus, dessa vez, não quis. O profeta Samuel repreendeu Saul: “O Senhor quer holocaustos e sacrifícios ou quer a obediência à sua palavra?” 

Jesus ensina-nos a mesma coisa no Evangelho, explicou o papa. Quando os doutores da lei o criticaram porque seus discípulos não jejuavam como “havia sido feito até então”, Jesus respondeu com estes exemplos tirados do cotidiano: “Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos”.

“Que isso significa? Que a lei muda? Não! Que a lei está a serviço do homem, que por sua vez está a serviço de Deus. Por isso, o homem deve ter o coração aberto. O ‘sempre foi feito assim’ é coração fechado e Jesus nos disse: ‘Eu enviarei o Espírito Santo e Ele os conduzirá até a verdade plena’. Se você tiver o coração fechado à novidade do Espírito, jamais chegará à verdade plena! E a sua vida cristã será uma vida metade e metade, remendada de coisas novas, mas sobre uma estrutura que não está aberta à voz do Senhor. Um coração fechado, porque não é capaz de mudar os odres”, disse o papa.

Foi esse o pecado de Saul, pelo qual acabou sendo rejeitado por Deus. “É o pecado de muitos cristãos que se prendem àquilo que sempre foi feito e não deixam que os odres mudem. Assim, acabam com uma vida pela metade, remendada, sem sentido”. O pecado, continuou ele, é um coração fechado, que não ouve a voz do Senhor, que não está aberto à novidade do Senhor, ao Espírito que sempre nos surpreende”. 

“Os cristãos que obstinadamente ficam no “sempre foi feito assim”, dizendo que “este é o caminho”, “esta é a rua” – eles pecam: “É o pecado da adivinhação. É como se fossem a uma cartomante. É mais importante o que foi dito e que não muda; aquilo que eu sinto, de mim e do meu coração fechado, do que a Palavra do Senhor. É também pecado de idolatria. E qual é o caminho? Abrir o coração ao Espírito Santo, discernir qual é a vontade de Deus”.

Francisco observou que, no tempo de Jesus, os bons israelitas praticavam o hábito do jejum. “Mas existe uma outra realidade”, disse. “Existe o Espírito Santo que nos leva para a verdade plena. E por esse motivo é preciso um coração aberto, um coração que vai não permanecer insistente no pecado da idolatria de si mesmo”, imaginando que a minha própria opinião é mais importante do que as surpresas do Espírito Santo.

“Esta é a mensagem da Igreja para nós hoje. É isso o que Jesus diz de modo tão incisivo: ‘Novo vinho em novos odres’. Os hábitos devem se renovar na novidade do Espírito, nas surpresas de Deus. Que o Senhor nos dê a graça de um coração aberto, de um coração aberto à voz do Espírito, que saiba discernir o que não deve mais mudar, porque é fundamento, do que deve mudar para poder receber a novidade do Espírito Santo”.