América Latina: o alarme da rede eclesial para os projetos de mineração das multinacionais

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Janeiro 2016

A Rede “Iglesias y Mineria” (Igrejas e atividades minerais), que opera junto à mais ampla rede eclesial da Amazônia (Repam), numa carta aberta aos bispos e aos pastores da América Latina difundida ontem, manifesta “a própria preocupação pelo crescimento de violências e criminalizações de pessoas e comunidades que se interessam e exprimem uma posição crítica” ante os projetos mineradores das multinacionais na América Latina. Tal conduta agressiva, assinala a carta aberta, vem acompanhada por uma nova estratégia das empresas, que procuram aproximar às próprias posições também as próprias hierarquias eclesiásticas.

A nota foi publicada por Servizio Informazione Religiosa - SIR, 12-01-2016. A tradução é de Benno Dischinger

"As multinacionais”, lê-se num comunicado difundido pela Repam, “não conseguem demonstrar que as operações mineradoras sejam sustentáveis, e as suas práticas de responsabilidade social de empresa não cancelam os graves danos e as violações causadas pelas suas atividades”. “Mas, ao mesmo tempo,” lê-se na carta, “sua nova estratégia é procurar o apoio das instituições que têm credibilidade, para conquistar a confiança do povo. Entre estas instituições está também a Igreja”.

Diante desta estratégia, a Rede “Iglesias y Mineria” [Igrejas e Mineração] pede aos pastores que não assumam posições “neutras” e coloquem em primeiro lugar “a imensa dignidade dos pobres”. Vão neste sentido as recentes tomadas de posição da Celam, de várias Conferências episcopais nacionais e uma recente publicação do Conselho latino-americano das Igrejas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

América Latina: o alarme da rede eclesial para os projetos de mineração das multinacionais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV