Amazônia está virando em savana mais lentamente do que se previa, diz estudo

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Janeiro 2016

A Amazônia está se transformando em uma savana, devido ao ar mais seco, embora de maneira transitória e não tão repentina como apontavam alguns prognósticos, de acordo com estudo divulgado nesta segunda-feira nos Estados Unidos.

A reportagem foi publicada por Amazônia.org.br, 29-12-2015.

A pesquisa, liderada por Naomi Levine, do departamento de Biologia da Universidade de Harvard, analisa a resposta individual de plantas da região a um entorno mais seco, diante de modelos que estimavam efeitos em todo o ecossistema.

“Nossa análise sugere que, em contraste com os prognósticos de estabilidade ou perda catastrófica de biomassa, a floresta amazônico responde a um clima mais seco de maneira imediata, mas gradual e heterogênea”, diz o texto publicado na revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

Em outras palavras, a “floresta amazônica é mais sensível a mudanças no clima do que o sugerido em outros estudos, mas não é tão provável que aconteça repentinamente uma mudança de um ecossistema para outro”, segundo os autores do estudo.

A mudança será de uma “floresta úmida de alta concentração de biomassa para uma floresta de transição seca e lenhosa, similar à savana”.

O estudo adverte, no entanto, que o desmatamento e outras intervenções humanas podem acelerar esta transição, pela qual já está passando a região.

Os pesquisadores apontam que os maiores riscos de estações mais secas acontecem ao sul da floresta, onde já se observam condições mais extremas de baixa umidade.

De acordo com o trabalho apresentado, a vulnerabilidade ou resistência da floresta tropical depende da duração das estações secas, do tipo de solo, mas também, de maneira relevante, do nível de competição e as dinâmicas entre as plantas e árvores do ecossistema.

Além disso, a heterogeneidade e biodiversidade da floresta amazônica a faz mais resistente do que consideravam alguns modelos à falta de água, o que permite uma resposta mais gradual aos períodos de seca.

As zonas de florestas da Bacia do Rio Amazonas, com estações secas de quatro meses, perderão 20% de biomassa, caso o período de baixa de chuvas dure dois meses mais, enquanto nas regiões que já sofrem com meio ano de seca, o aumento de um mês já garantiria essa perda.

Os pesquisadores ainda apontam para a importância de estudar a transição na floresta amazônica, analisando a resposta de diferentes tipos de árvores, levando em conta a qualidade do solo, ao invés de incluir toda a biomassa em um mesmo modelo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia está virando em savana mais lentamente do que se previa, diz estudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV