“Não queremos a barragem no Tapajós. Vamos perder tudo, inclusive territórios sagrados"

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS
  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 11 Dezembro 2015

Em audiência pública conjunta de três comissões parlamentares sobre a construção da Usina Hidrelétrica de Tapajós, chefe dos guerreiros denuncia a forma criminosa com que o governo brasileiro trata seu povo.

A reportagem é do portal Greenpeace, 10-12-2015.

Hoje foi um dia histórico para o povo Munduruku. O líder dos guerreiros, Adalto Akay Munduruku, fez parte da mesa de debate de audiência pública promovida pelas Comissões de Minas e Energia, Meio Ambiente e de Integração Nacional na Câmara dos Deputados, em Brasília. O tema é assunto de vida ou morte para essa etnia indígena do Pará: a construção da Usina Hidrelétrica de São Luiz do Tapajós irá alagar seus territórios tradicionais.

Para um povo que nunca foi consultado pelo poder público sobre a construção da hidrelétrica, ter voz em um plenário da Câmara, com a presença de deputados, foi uma grande oportunidade. E Adalto Munduruku usou bem seu espaço: “Não queremos a barragem no Tapajós porque não vai trazer nada de bom para nós. Vamos perder tudo, inclusive territórios sagrados. Onde nossos espíritos vão descansar? O rio Tapajós vai ficar sujo, vai trazer peixe contaminado. Estou dizendo porque já vi isso acontecer no rio Madeira”.

O chefe dos guerreiros também destacou que o povo Munduruku é contra a construção de hidrelétricas em seu território há mais de 30 anos. “Falam que hidrelétrica é energia sustentável, limpa. É mentira, é energia suja. É só olhar os impactos que elas causam”, e completou: “O governo podia colocar placas solares em nossa terra, porque não atingem o meio ambiente. No Pará tem muito sol”.

Sem contar Adalto Munduruku, outros 15 indígenas da mesma etnia puderam entrar para acompanhar a sessão. Outros 60 Munduruku ficaram do lado de fora do Congresso, o que foi fortemente criticado pelo deputado Edmilson Rodrigues (PSOL/PA). “Me sinto humilhado com o presidente dessa Casa proibindo a entrada dos indígenas em uma audiência pública como essa, de alto nível”.

O também paraense Arnaldo Jordy (PPS/PA) foi contundente em seu discurso: “Não há como ocultar o sentimento de indignação, revolta e inconformismo. Está tudo errado. É um modelo de produção [de energia] falido! O progresso e o desenvolvimento a qualquer preço nos proíbe cada vez mais de ter um olhar humanista baseado nos direitos fundamentais consagrados na Constituição Brasileira”.

Segundo o deputado Jordy, as hidrelétricas na Amazônia, e especificamente no Pará, servem para abastecer outras regiões do Brasil. “82% da energia produzida vai para fora do estado para entender interesses alheios ao povo impactado. 22% dos paraenses não têm energia. E ainda querem nos dizer que isto é bom para nós. Ainda querem nos convencer que aqueles que resistem são contra o Brasil, são contra o progresso. Vão se catar!”, finalizou ele.

“Tem que confiar”

Além de representantes do Ministério de Minas e Energia, da prefeitura do município de Itaituba (impactado pela obra) e da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Pará, à mesa de debate estava também Regina Generino, coordenadora geral de Infraestrutura de Energia Elétrica da Diretoria de Licenciamento Ambiental do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Representando a presidente do órgão, Marilene Ramos, Generino pediu para que o Ibama tivesse mais crédito de confiança. “Temos que acreditar nas instituições do governo, que elas estão fazendo o seu melhor”, defendeu ela.

“O Greenpeace acredita nas instituições e tem plena confiança de que o Ibama não terá outro caminho a não ser reconhecer a latente inviabilidade socioambiental da Usina Hidrelétrica de São Luiz do Tapajós, dada a magnitude dos impactos que ela pode causar”, disse Danicley de Aguiar, da Campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil.

Território: a luta pelo reconhecimento

Ao fim da sessão, Adalto Munduruku disse: “não fizeram a consulta [sobre a construção] com a gente. Se viessem falar com a gente, saberiam o que a gente pensa. Mas não é assim. É uma falta de respeito ao povo Munduruku”. Olhando para os representantes dos órgãos e ministérios do governo, o líder guerreiro desafiou: “Vocês sabem disso, porque estudaram. E mesmo assim atropelam nossos direitos”.

Um clássico exemplo do que diz Adalto é a não publicação pela Funai do relatório de identificação e demarcação da Terra Indígena Sawré Muybu, pronta há pelo menos dois anos. O texto do relatório é contundente ao afirmar que 7% do território em questão seria alagado se construída a hidrelétrica de São Luiz do Tapajós.

Por iniciativa do deputado Edmilson Rodrigues, a Comissão de Meio Ambiente realizará uma Audiência Pública na cidade de Santarém ou no município de Itaituba em fevereiro de 2016 para dar continuidade ao debate.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não queremos a barragem no Tapajós. Vamos perder tudo, inclusive territórios sagrados" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV