Amazônia deve perder mais de 30% das árvores até 2050, diz pesquisa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Requiem para os estudantes. Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS
  • Armar o país: a “guerra santa” bolsonarista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Dezembro 2015

Artigo estima que espécies arbóreas estão ameaçadas de extinção. Estudo teve a participação de 158 pesquisadores do mundo todo.

A reportagem é de Paula Monteiro, publicada por G1, 28-11-2015.

A Amazônia poderá perder entre 36% e 57% das árvores até 2050, segundo estudo publicado em artigo no dia 20 de novembro, com o título “Estimating the global conservation status of more than 15,000 Amazonian tree species”.

O trabalho foi realizado por 158 pesquisadores de várias partes do mundo, e mostra a fragilidade no sistema de proteção da maior floresta tropical.

Segundo o pesquisador do Instituto de Pesquisas do Amapá (Iepa), Marcelo Carim, um dos autores do artigo, o estudo indica que a Amazônia pode abrigar mais de 15.000 espécies arbóreas, dentre as quais de 36% a 57% estão globalmente ameaçadas, em decorrência do desmatamento e uso indevido das terras.

“Os mecanismos de degradação são muito intensos. Até 2050 vamos perder mais de 30% de espécies de árvores da Amazônia, o que significa 8.600 espécies de árvores. Um dos principais fatores para essa situação está relacionado ao desmatamento e uso indevido da terra, a exemplo da exploração excessiva do palmito”, falou Carim.

O artigo também aponta que mais da metade de todas as espécies arbóreas da Amazônia, a mais diversa floresta do mundo, podem estar globalmente ameaçadas, e sugere que parques, reservas e terras indígenas, se bem gerenciados, podem proteger a maioria das espécies ameaçadas.

O pesquisador lembra que nem mesmo o Amapá, por possuir mais de 70% de seu território considerado como área de proteção ambiental, está livre da degradação. Ele diz que tudo está ligado à biodiversidade: árvores, animais e plantas, e que qualquer alteração pode afetar negativamente o ecossistema.

“Não se trata apenas de árvores, é uma cadeia toda envolvida. Quando se trata de floretas há vários grupos biológicos que interagem entre si e podem também ser ameaçados”, afirmou.

Em 2013, o primeiro estudo do grupo de pesquisadores abordou a hiperdominância da Amazônia, onde foi concluído que havia cerca de 15 mil espécies de árvores na região. A pesquisa vai servir para a aplicação de políticas adequadas para o uso da floresta, segundo Carim.

“O artigo subsidiará um estudo padronizado sobre a floresta amazônica para alimentar uma rede de informações sobre a vegetação na região e visa entender de forma global como os processos de pesquisa estão acontecendo e funcionando. Até então, tínhamos muitas informações isoladas”, finalizou o pesquisador.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia deve perder mais de 30% das árvores até 2050, diz pesquisa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV