Ocupações de escolas em SP já mudaram ensino, diz antropóloga

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • Aqueles cardeais "de periferia" escolhidos pelo papa. Artigo de Andrea Riccardi

    LER MAIS
  • Entidades pró-direitos humanos repudiam ação de Alckmin e Doria na Cracolândia

    LER MAIS
  • Agamben: profanar a Democracia Representativa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

01 Dezembro 2015

O governo do Estado de São Paulo pode até não voltar atrás na decisão de reestruturar o ensino, mas, na opinião da antropóloga Alba Zaluar, a ocupação de mais de 150 escolas pode modificar a estrutura da educação pública no país.

A reportagem é de Thiago Varella, publicada por Uol, 26-11-2015.

Zaluar, que já foi diretora de escola pública em um bairro do subúrbio do Rio de Janeiro, considera que a ocupação vai fazer o ensino avançar muito em todo o país.

"Eu acho a ocupação uma coisa linda, maravilhosa. Isso pode, enfim, modificar a divisão que há entre o que é instituição do Estado e o que faz parte do cotidiano das pessoas. A escola é a mistura dos dois", afirmou.

Até a noite da quarta-feira (25), estudantes ocupavam 151 escolas públicas em todo o Estado de São Paulo, em protesto contra o fechamento de colégios e o projeto de reorganização da rede de ensino.

Pobreza e aprendizagem

A antropóloga apresentou, na última segunda-feira (23), uma análise sobre as oportunidades de educacionais para pessoas de baixa renda durante a 3ª Reunião da Rede Nacional de Ciência para Educação (Rede Cpe), que foi organizada no Rio de Janeiro.

Na visão de Zaluar, que dedica sua carreira principalmente ao estudo da antropologia urbana e da antropologia da violência, não é porque um estudante é pobre que ele vai necessariamente ter mais dificuldade na escola. A antropóloga tenta desconstruir alguns conceitos bastante difundidos no meio acadêmico que consideram a pobreza como uma algo consensual e homogêneo e isso, segundo ela, não existe.

"Em qualquer classe social há diferentes maneiras de criar as crianças. Não há como generalizar isso. O autoritarismo, por exemplo, não conduz ao um bom desenvolvimento do cérebro. Mas isso não significa que os mais pobres tendem a ter uma forma de criação que é mais prejudicial ao desenvolvimento do cérebro. Autoritarismo ocorre em várias classes sociais e em vários lugares, como a escola, a vizinhança", afirmou.

Zaluar defende que a escola leve em consideração a bagagem cultural que as crianças trazem. Principalmente, as mais pobres, que têm muito a acrescentar em uma sala de aula.

"Os jovens de classes sociais mais baixas têm um sentido de concreto mais aguçado. Eles sabem mais das coisas práticas da vida e isso não é valorizado. É necessário ter uma integração maior entre escola e criança", disse.

Por isso, para Zaluar, ações que misturam a escola com a comunidade onde o colégio está inserido tendem a melhorar a qualidade do ensino e, claro, envolver toda a sociedade com a educação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Ocupações de escolas em SP já mudaram ensino, diz antropóloga