Curta! exibe documentário inédito na TV brasileira sobre o Rio Doce

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • TSE considera hipótese de poupar Michel Temer

    LER MAIS
  • Na China, “a problemática da ecologia, vista como um luxo, choca-se com a do emprego, que é vita

    LER MAIS
  • “Atualmente, o mundo não cria desenvolvimento, mas mais pobreza”, afirma arcebispo argentino, a

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

22 Novembro 2015

Socorrer o Rio Doce, afetado pela tragédia das barragens em Mariana (MG), é uma necessidade antiga. O canal Curta! exibe, domingo, às 16h30m, o documentário “Watu – Um rio chamado Doce”, do jornalista Edilson Martins, ainda inédito em televisão brasileira.

A reportagem é de Daniel Brunet, publicada por O Globo, 19-11-2015.

A obra lembra que há 20 anos, os então governadores de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, e do Espírito Santo, Vitor Buaiz, anunciaram um plano interestadual, com financiamento francês de US$ 2 bilhões, em sua primeira fase, para a recuperação do já então muito degradado Rio Doce. Mas... não resolveu.

O filme mostra todo o histórico de degradação do Rio Doce, desde o extermínio das nações indígenas ribeirinhas, Krenac, Botocudo e Maxacali, que chamavam o rio de Watu, à poluição no ciclo do ouro e pelas minerações posteriores.

- O Doce, como tantos outros da região Sudeste, já estava na UTI há décadas, até porque em seu vale se concentra o maior número de indústrias de minério do país, e uma população de 4 milhões de pessoas o transformando em latrina - conta Martins.