Programa do PMDB. Aliança para o progresso e o regresso

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Novembro 2015

"'Ponte para o futuro1, programa do PMDB, "não difere do programa do PSDB-2014, mas é mais radical. É, grosso modo, o que pensa a maioria dos economistas", escreve Vinicius Torres Freire, jornalista, em artigo publicado no jornal  Folha de S. Paulo, 01-11-2015.

Segundo ele, "seria um programa da coalizão virtual do pós-Dilma, de PMDB, PSDB, agregados políticos e aliados sociais. Na prática, essa coalizão real tem feito o contrário do que prega. Estoura as contas públicas em votações no Congresso, por populismo e oportunismo baixos ou para destruir Dilma".

Eis o artigo.

Uma coalizão política e social começa a se insinuar neste país dilacerado e degradado. Pode-se não acreditar nela, mas que ela existe, existe, como embrião.

Considere-se o PMDB, parte oposição, parte amigo da onça. O partido tira meias sem tirar o sapato.

Em novembro, faria um encontro em que ameaçava abandonar o governo moribundo, mas que resiste como zumbi. Assim, o PMDB deixou a reunião "decisiva" para março. Deixou como está para ver como é que ficam crise, Dilma Rousseff, Lava Jato e eleição municipal.

Em vez de tirar já o corpo fora, saiu voando em espírito, digamos, como se vê pelo programa "Uma Ponte para o Futuro", chancelado e alardeado por Michel Temer nesta semana.

Trata-se de apelo de "união nacional" em torno de um plano liberal, conduzido por políticos, no Congresso, a fim de abrir o beco sem saída desta "crise grave", causada por Dilma 1 e pelo desajuste "estrutural" da economia devido à Constituição de 1988.

No papel, o partido adere como nunca ao programa de reformas liberalizantes que vem sendo proposto com radicalidade inaudita mesmo nos anos FHC. O PMDB candidata-se a líder ou partícipe confiável de nova coalizão antipetista. Quando?

A "Ponte para o Futuro" se vende como plano para já. Propõe evitar mais impostos, dar fim ao gasto obrigatório em saúde e educação, ao reajuste automático de salário mínimo e benefícios do INSS, idade mínima para aposentadoria, ajuste fiscal brabo, abertura comercial, revisão da lei trabalhista. Etc.

Não difere do programa do PSDB-2014, mas é mais radical. É, grosso modo, o que pensa a maioria dos economistas.

Seria um programa da coalizão virtual do pós-Dilma, de PMDB, PSDB, agregados políticos e aliados sociais. Na prática, essa coalizão real tem feito o contrário do que prega. Estoura as contas públicas em votações no Congresso, por populismo e oportunismo baixos ou para destruir Dilma.

É ver para crer como um partido das oligarquias regionais renovadas em 1985 e de muito empresário "desenvolvimentista" levaria adiante tal coisa; com quais aliados?

Além do mais, há as ruas, ora quietas. A direita e os anti-Dilma não conseguem manter protestos contínuos, por falta de prática e base social militante. A esquerda, perplexa, indignada e meio desmobilizada, apoia Dilma por um fio, por motivos táticos.

Mas o efeito social da crise, um impeachment ou a implantação de um programa desses deve acirrar ânimos. Esta crise não é conjuntural. Difícil que seja solucionada sem conflito maior sobre a divisão de fundos públicos e normas econômicas. Esta elite política, que causa repulsa ou tem escassa legitimidade, será capaz de propor plano tão radical em ambiente tão difícil?

Por outro lado, dada a agonia recessiva, um plano desses pode resultar em "restart" econômico rápido, algum alívio geral e, pois, apoio. As empresas, por sua vez, demandam já o regresso da rentabilidade: contenção de impostos, real desvalorizado com inflação baixa, salários contidos (isso é "o ajuste"), o que ora depende de acerto fiscal drástico.

O PMDB, sem se comprometer, piscou para essa coalizão ainda virtual, os pedaços do bloco de poder que aos poucos parece se juntar para tocar tal programa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Programa do PMDB. Aliança para o progresso e o regresso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV