Jornalista faz experiência para mostrar assédio sofrido por mulheres em Teresina

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O papa que acusa os conspiradores já colocou em campo as tropas para neutralizá-los

    LER MAIS
  • Salvar-se por mais 40 anos. Artigo de Stefano Mancuso

    LER MAIS
  • Por que refundar a ideia de tolerância. Artigo de Paul Ricoeur

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Agosto 2015

Editora-chefe do portal O Olho percorreu durante duas horas ruas da capital do Piauí com câmera escondida, registrando quinze situações de assédio.

A reportagem foi publicada pelo Portal Fórum, 25-08-2015. 

Confira o vídeo:

Inspirada em um vídeo gravado em Nova Iorque que denunciava o assédio machista sofrido por mulheres nas ruas da cidade norte-americana, Sávia Lorena Barreto, editora-chefe do portal O Olho, do Piauí, percorreu ruas do Centro e Zona Sul de Teresina, capital do estado, com uma câmera escondida. O resultado: quinze situações de assédio que mostram um pouco do cotidiano enfrentado por inúmeras mulheres no Brasil.

“Tirando o microfone escondido na bolsa, usei o tipo de roupa que eu e milhares de teresinenses (incluindo as mães, filhas e irmãs dos meus assediadores) usamos todos os dias para ir à rua. Meu produtor caminhava à frente, sempre a alguns passos de distância, permitindo me filmar com uma câmera escondida acoplada em sua mochila”, explica a jornalista na matéria publicada.

“Meu temor não era motivado por me considerar gostosa, linda e estonteante (porque não sou e porque mesmo uma mulher que é, não merece receber nenhum tipo de agressão verbal e sexual), mas porque basta ser mulher, estar andando sozinha nas ruas, que quase prontamente alguns homens sentem-se no direito de avaliar a forma física e até de fazer convites sexuais”, descreve Sávia.

No vídeo abaixo é possível notar não só os comentários abusivos, que incluem expressões como “gostosa”, “bundinha” e “”b****a, hein”, como também os olhares ostensivos e o gestual de muitos dos homens. “Lá está você pagando o plano de saúde da sua mãe no Centro da cidade, quando alguém que você nunca viu, e que sequer cruzou os olhos, alheio aos seus problemas e vontades, grita: ‘Vamos lá em casa delícia?’. Não é um convite, é uma invasão”, relata Sávia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jornalista faz experiência para mostrar assédio sofrido por mulheres em Teresina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV