ONU: Reduzir 25% da comida desperdiçada no mundo salvaria 870 milhões de pessoas da fome

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Equidade de gênero: a religiosidade como caminho para igualdade. Debate com Antje Jackelén, arcebispa primaz da Igreja Luterana da Suécia

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Agosto 2015

Reduzir em apenas 25% a quantidade de comida que é jogada no lixo seria necessário para salvar quase 800 milhões de pessoas que correm risco de morte por desnutrição. Relatório publicado pela FAO (órgão das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) diz ainda que essa redução em um quarto no desperdício de alimentos também ajudaria as 870 milhões de pessoas que sofrem de fome ao redor do mundo.

A reportagem foi publicada pelo sítio Opera Mundi, 15-08-2015.

De acordo com a ONU, a questão do desperdício de comida — que, além de impedir que se alcance níveis satisfatórios de segurança alimentar, também tem consequências em mudanças climáticas — é o símbolo da ineficácia dos sistemas de distribuição e consumo de comida em várias partes do planeta.

Nos países ricos, joga-se no lixo anualmente uma média de 670 milhões de toneladas; enquanto nos países em desenvolvimento, a média cai levemente, para 630 milhões de toneladas. Entre os tipos de alimentos, desperdiça-se 50% de frutas e vegetais produzidos, além de 35% de peixes, 30% de cereais e 20% de carnes.

O relatório da FAO, entretanto, fixa uma diferença entre comida ‘perdida’ e ‘desperdiçada’. A primeira é algo não intencional, fenômeno comum em países em desenvolvimento: se deve a falta de infraestrutura e problemas em equipamentos e rede de transportes.

O desperdício de comida, ato voluntário, é mínimo em regiões mais pobres. Nos países ricos, a situação é a inversa: grandes quantidades de comida são jogadas fora em função, sobretudo, segundo aponta a FAO, de padrões de qualidade alimentar que supervalorizam a aparência dos alimentos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ONU: Reduzir 25% da comida desperdiçada no mundo salvaria 870 milhões de pessoas da fome - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV