'Não vou usar camiseta nem vou pedir Justiça', diz a mãe de vítima de chacina

Revista ihu on-line

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Sociabilidade 2.0 Relações humanas nas redes digitais

Edição: 502

Leia mais

O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

Edição: 501

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja batiza três filhos de casal gay na Catedral de Curitiba

    LER MAIS
  • "Às vezes, a Igreja caiu em uma teologia do 'pode' e do 'não pode'"

    LER MAIS
  • "Ruralistas têm respaldo para fazer o que quiserem" diz Comissão Pastoral da Terra

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 17 Agosto 2015

"Só sei que meu filho morreu. Não vou usar camiseta com a foto dele, não vou pedir Justiça. Vou continuar meus corres porque ninguém vai me ajudar", diz a mãe de uma das vítimas.

A reportagem é do portal Ig, 14-08-2015.

Os amigos de infância Eduardo Oliveira Santos, 41, e Thiago Marcos Damas, 32, se sentaram em um bar em Osasco (SP) para tomar uma cerveja na noite desta quinta-feira (14).

Momentos depois, foram duas das vítimas da chacina que deixou 19 mortos nas cidades de Osasco, Barueri e Itapevi, todas na Grande São Paulo.

Eduardo morreu na hora, e Thiago, no hospital, após passar por cirurgia. Segundo a família, nenhum deles tinha passagens pela polícia.

"Foi o caso de estarem no lugar errado e na hora errada", afirma o companheiro de Eduardo, Jean Lopes, 34.

Há três anos, o filho da costureira Rosângela Gonçalves, 50, também morreu em uma chacina em Osasco. Nesta quinta-feira ela perdeu o amigo Presley Santos Gonçalves, 26.

"Quando morre um policial, pode saber que em até 15 dias vai ter uma chacina", diz. "Nunca vai mudar, aqui não existe Justiça", completa a costureira.

De acordo com familiares, Presley, pai de dois filhos, estava na frente da casa de um tio, quando um homem em uma moto atirou seis vezes nele.

Já a irmã de Eduardo Bernardino Cézar, 26, conta que ele havia saído para comprar um lanche com o amigo na rua de sua casa. Segundo ela, dois motoqueiros começaram a atirar. O amigo conseguiu fugir.

"Ele nunca mexeu com nada de errado", diz Tânia Cristina Cézar. Eduardo deixa uma filha de dois anos.

Fernando Luiz de Paula, 34, também estava bebendo com amigos no bar. "Só sei que meu filho morreu. Não vou usar camiseta com a foto dele, não vou pedir Justiça. Vou continuar meus corres porque ninguém vai me ajudar", diz a mãe, Zilda Maria de Paula.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - 'Não vou usar camiseta nem vou pedir Justiça', diz a mãe de vítima de chacina